ETIOLOGIA DO HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO E SUA DISTRIBUIÇÃO NAS MACRORREGIÕES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Aline Siqueira de Souza, Aline Jeunon Ferreira Marinho, Francisco José Ferreira da Silveira

Resumo


INTRODUÇÃO: O hipotireoidismo congênito é o distúrbio endócrino congênito mais frequente e a causa mais comum de retardo mental evitável. As causas mais frequentes de hipotireoidismo congênito incluem a disgenesia e defeitos na produção hormonal (disormonogênese). OBJETIVO: Identificar a etiologia do hipotireoidismo congênito em crianças acompanhadas pelo Programa de Triagem Neonatal – Minas Gerais e verificar a distribuição nas 13 macrorregiões do estado de Minas Gerais. MÉTODO: Estudo do tipo transversal, com dados retrospectivos.Foram analisados os dados de 772 crianças que nasceram de janeiro de 1995 a 2007, em Minas Gerais, e que fizeram o "teste do pezinho", com resultados alterados e cujos exames séricos, realizados na primeira consulta, confirmaram o diagnóstico de hipotireoidismo congênito. RESULTADOS: Após análise dos exames para esclarecimento etiológico, o resultado foi normal ou inconclusivo em 39,3% dos casos. Do total, disgenesia foi observada em 39,2% dos casos, disormonogênese em 19,4% e bócio a esclarecer em 2,1%.Disgenesia foi a etiologia mais frequente em todas macrorregiões, exceto na região nordeste, onde foi mais comum a disormonogênese. Dentre os diagnósticos de disgenesia e disormonogênese,os mais comuns foram hipoplasia (19,9%), defeito de síntese de TPO (14,4%) e tireóide ectópica (13,9%). CONCLUSÕES: Houve uma variabilidade significativa na distribuição do hipotireoidismo congênito nas regiões do estado, sendo que os fatores associados a essa variabilidade ainda são desconhecidos.

 

Descritores: Hipotireoidismo congênito; Hormônios tireóideos; Triagem neonatal.


Texto completo:

PDF

Referências


Maciel LMZ, Kimura ET, Nogueira CR, Mazeto GMFS, Magalhães PKR, Nascimento ML et al. Hipotireoidismo congênito: recomendações do Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Arq Bras Endocrinol Metab [Internet]. 2013; 57( 3 ): 184-192.

Palhares HMC, Silva LC, Sato LM et al. Incidence of congenital hypothyroidism in the city of Uberaba/Minas Gerais andetiological evaluation of the affected subjects. Arq Bras Endocrinol Metab. 2012; 56 (5): 305-312.

Pezzuti IL, Lima PP, Dias VMA. Hipotireoidismo congênito: perfil clínico dos recém-nascidos identificados pelo Programa de Triagem Neonatal de Minas Gerais. J Pediatr [Internet]. 2009; 85( 1 ): 72-79.

Dantas M, Miguel D, Pereira M, Toralles MB, Alves C. A importância da triagem neonatal no hipotireoidismo congênito: análise secundária de dados. Gaz Méd Bahia. 2007;76(3): 82-87.

NUPAD, FM-UFMG. Hipotireoidismo Congênito. Availablefrom: http://www.nupad.medicina.ufmg.br/topicos-em-saude/hipotireoidismo-congenito/ Último acesso em 21 ago. 2017.

Dias VMA, Pezzuti IL, Chagas AJ. Problemas Mais Comuns da Glândula Tireoide. In: Leao E, Corrêa EJ, Mota JAC, Vianna MB, Vasconcellos MC. Pediatria Ambulatorial. Belo Horizonte: Coopmed; 2013. p.1139.

Counts D, Varma SK. Hypothyroidism in Children. Pediatrics in Review. 2009; 30 (7): 251.

Silva CB, Ramires JCL. Regionalização da Saúde em Minas Gerais: Algumas Reflexões Críticas. HYGEIA, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 2010.

Pales RC. Desenvolvimento regional e desigualdades sociais entre as macrorregiões de planejamento de Minas Gerais. Montes Claros: Universidade Estadual de Montes Claros –Unimontes, 2014.

Nascimento ML, Rabello FH, Ohira M, Simoni G, Cechinel E, Linhares RMM et al. Programa de Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito de Santa Catarina, Brasil: avaliação etiológica no primeiro atendimento. Arq Bras Endocrinol Metab. 2012; 56( 9 ): 627-632.

Bekhit OE, Yousef RM. Permanent and transient congenital hypothyroidism in Fayoum, Egypt: a descriptive retrospective study. PLoSOne. 2013; 8(6):e68048.

Vela-Amieva M, Gamboa-Cardiel S, Pérez-Andrade ME, Ortiz-Cortés J, González-Contreras CR, Ortega-Velázquez V. et al. Epidemiology of congenital hypothyroidism in Mexico. Salud Publica Mex. 2004; 46(2):141-8.

Abodovsky GN, Vivanco WX, Cuello AX, Perez OP, Lobo SG, Brantcs MJ et al. Detección precoz de hipotiroidismo congénito en Chile: Resultados en 24 meses. Rev Chil Pediatr. 1995; 66(3):140-144.

Agrawal P, Rajeev P, Saran S. Congenital hypothyroidism. Indian J Endocrinol Metab. 2015; 19 (2): 221–227.

Ramos JCRR, Filho LL, DeMartini AAC, Silveira RB, Pereira RM, Sandrini N. Retal .Clinical and laboratory features of children and adolescentes with congenital hypothyroidism duetodyshormonogenesis in Southern Brazil. Arq Bras Endocrinol Metab. 2012; 56(3): 201-208.

Dalili S, Rezvani SM, Dalili H, Amiri ZMH, Kesh SA et al. Congenital hypothyroidism: etiologyandgrowth-development outcome. Acta Med Iran. 2013; 52(10):752-756.

Knobel M, Nogueira CR, Medeiros-Neto G. Genética molecular do hipotireoidismo congênito. Arq Bras Endocrinol Metab. 2001;45( 1 ): 24-31.

Stoppa-Vaucher S, Van Vliet G, Deladoëy J. Variationbyethnicity in theprevalenceof congenital hypothyroidism dueto thyroid dysgenesis. Thyroid. 2011; 21(1):13-8.

Karakoc E, Turan S, Akpinar I, Isguven P, Adal E, Haklar G, Dede F, Bereket A, Screening of Parents and Siblings of Patients with Thyroid Dysgenesis by Thyroid Function Tests and Ultrasound. Horm Res. 2008;70 (6):329-339.

Castanet M, Marinovic D, Polak M, Léger J, Epidemiology of Thyroid Dysgenesis: The Familial Component. Horm Res Paediatr. 2010;73 (4):231-237.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

    

 

ISSN 2526-3951