PREVALÊNCIA DE TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA EM ESTUDANTES DE MEDICINA

Nathan Assis Jordão Pinto, Júlio de Melo Cavestro, Wardislau Fereira

Resumo


INTRODUÇÃO: Estimativa da Organização Mundial da Saúde aponta que cerca de 450 milhões de pessoas sofram de algum transtorno mental, e que um em cada quatro indivíduos, será afetado por uma doença psiquiátrica em algum estágio de sua vida. No caso do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), é um transtorno que pode afetar as pessoas a partir da segunda década de vida, ou seja, muitos estudantes universitários estão sujeitos a apresentarem os sintomas específicos dessa patologia. Esta pesquisa sugere possíveis etiologias, fatores predisponentes e ainda incentiva a criação de medidas preventivas eficazes, o que é extremamente benéfico em termos de promoção e atenção primária à saúde. OBJETIVO: Identificar a prevalência do TAG em estudantes de Medicina da instituição Ciências Médicas de Minas Gerais. MÉTODO: O estudo foi do tipo descritivo observacional transversal. A hipótese primária da pesquisa é: muitos estudantes de Medicina são portadores do TAG. Foi aplicada a todos os participantes da pesquisa a escala “Hospital Anxiety and Depression Scale” (HAD). O tamanho da amostra foi de 289 pessoas. RESULTADOS: O estudo evidenciou que o 6o ano é o mais "ansioso". As mulheres se apresentaram mais "ansiosas", com uma prevalência de 32,68%. No geral, a prevalência de pessoas com diagnóstico muito provável de TAG foi de 27,68%. CONCLUSÃO: O TAG é uma patologia bastante prevalente na população. O estudo em questão evidenciou que a prevalência de estudantes de Medicina com o diagnóstico muito provável de TAG foi alto, atingindo quase um terço da amostra.

Palavras-chave: Transtornos de Ansiedade; Psiquiatria Preventiva; Psiquiatria comunitária; Estudantes de Medicina.


Texto completo:

PDF

Referências


Weisberg RB. Overview of Generalized Anxiety Disorder. J Clin Psychiatry. 2009;70(suppl 2):04-09.

American psychiatric association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-IV-TR Texto Revisado. 5a. Ed. Re. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Judd LL, Kessler RC, PauIus MP, Zeller P V., Wittchen H-U, Kunovac JL. Comorbidity as a fundamental feature of generalized anxiety disorders: results from the National Comorbidity Study (NCS). Acta Psychiatr Scand. 1998;98(s393):6-11.

Lieb R, Becker E, Altamura C. The epidemiology of generalized anxiety disorder in Europe. Eur Neuropsychopharmacol. 2005;15(4):445-452.

Andrade LH, Wang Y-P, Andreoni S, et al. Mental Disorders in Megacities: Findings from the São Paulo Megacity Mental Health Survey, Brazil. Uddin M, ed. PLoS One. 2012;7(2):e31879.

Murcia M, Chastang J-F, Niedhammer I. Educational inequalities in major depressive and generalized anxiety disorders: results from the French national SIP study. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2015;50(6):919-928.

Culpepper L. Generalized anxiety disorder and medical illness. J Clin Psychiatry. 2009;70 Suppl 2(suppl 2):20-24.

Roy M-A, Neale MC, Pedersen NL, Mathé AA, Kendler KS. A twin study of generalized anxiety disorder and major depression. Psychol Med. 1995;25(05):1037.

Carter RM, Wittchen HU, Pfister H, Kessler RC. One-year prevalence of subthreshold and threshold DSM-IV generalized anxiety disorder in a nationally representative sample. Depress Anxiety. 2001;13(2):78-88.

Moffitt TE, Harrington H, Caspi A, et al. Depression and Generalized Anxiety Disorder. Arch Gen Psychiatry. 2007;64(6):651.

Zigmond AS, Snaith RP. The Hospital Anxiety and Depression Scale. Acta Psychiatr Scand. 1983;67(6):361-370.

Apóstolo JLA, Mendes AC, Azeredo ZA. Adaptation to Portuguese of the Depression, Anxiety and Stress Scales (DASS). Rev Lat Am Enfermagem. 2006;14(6):863-871.

Castro MMC, Quarantini L, Batista-Neves S, Kraychete DC, Daltro C, Miranda-Scippa Â. Validade da escala hospitalar de ansiedade e depressão em pacientes com dor crônica. Rev Bras Anestesiol. 2006;56(5):470-477.

Botega NJ, Bio MR, Zomignani MA, Garcia Jr C, Pereira WAB. Transtornos do humor em enfermaria de clínica médica e validação de escala de medida (HAD) de ansiedade e depressão. Rev Saude Publica. 1995;29(5):359-363.

Faro A. Análise Fatorial Confirmatória e Normatização da Hospital Anxiety and Depression Scale (HADS). Psicol Teor e Pesqui. 2015;31(3):349-353.

Patel V, Kleinman A. Poverty and common mental disorders in developing countries. Bull World Health Organ. 2003;81(8):609-615.

Kessler RC, Berglund P, Demler O, Jin R, Merikangas KR, Walters EE. Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of DSM-IV disorders in the National Comorbidity Survey Replication. Arch Gen Psychiatry. 2005;62(6):593-602.

Kinrys G, Wygant LE. Anxiety disorders in women: does gender matter to treatment? Rev Bras Psiquiatr. 2005;27(suppl 2):s43-s50.

Kessler RC, McGonagle KA, Zhao S, et al. Lifetime and 12-month prevalence of DSM-III-R psychiatric disorders in the United States. Results from the National Comorbidity Survey. Arch Gen Psychiatry. 1994;51(1):8-19.

Steiner M, Allgulander C, Ravindran A, Kosar H, Burt T, Austin C. Gender differences in clinical presentation and response to sertraline treatment of generalized anxiety disorder. Hum Psychopharmacol Clin Exp. 2005;20(1):3-13.

Wittchen H-U. DSM-III-R Generalized Anxiety Disorder in the National Comorbidity Survey. Arch Gen Psychiatry. 1994;51(5):355.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

    

 

ISSN 2526-3951