CUIDADOS PALIATIVOS: PERSPECTIVA DE INTEGRALIDADE EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

Juliana Ribeiro de Oliveira, Janaina Soares Tizzoni, Lilian Machado Torres

Resumo


Introdução: Nas últimas décadas tem sido observado aumento significativo da expectativa de vida da população global. Simul­taneamente à transição demográfica surgem discussões sobre cuidados proporcionados no fim da vida, quanto ao seu manejo e às considerações éticas implicadas. É preciso considerar a integralidade da assistência como, também, a evolução natural do processo de morrer, diante das características atuais das pessoas envelhecidas. Nesse contexto, inserem-se os Cuidados Paliativos (CP), uma abordagem que promove a qualidade de vida de indivíduos e de seus familiares, frente às doenças que ameaçam a continuidade da vida. Objetivo: caracterizar o cuidado paliativo em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI). Métodos: estudo qualitativo, exploratório e com a participação de nove profissionais de uma ILPI, por meio de entrevista semi estruturada. A aná­lise de conteúdo se deu pelo referencial de Bardin. Resultados: A partir do processo de análise, percebeu-se que os depoimentos transitaram por processos de trabalho associados ao cuidado e empatia dos envolvidos, o que permitiu condensar os recortes dos depoimentos em categorias temáticas, quais sejam: Percepção das ações procedimentais e de humanização para paliar o sofrimen­to; Associação do CP ao final da vida; e Ultrapassando os limites da empatia em CP. Considerações Finais: tornam-se necessárias a adequação dos serviços e a educação permanente dos profissionais envolvidos no processo de cuidado à saúde para a efetividade das políticas públicas voltadas a esse grupo populacional. Novos estudos que abordem diversas estratégias de atendimento, de captação e de inserção dos CP nos serviços de saúde e em toda a rede integrada, podem contribuir para a qualificação do cuidado na terminalidade.


Palavras chaves: Enfermagem; Cuidados paliativos; Cuidados de enfermagem; Instituição de longa permanência para idosos.


Texto completo:

PDF

Referências


Bernabeu-Wittel M, Ruiz-Cantero A, Murcia-Zaragoza J, Hernández-Quiles C, Barón-Franco B, Ramos-Cantos C, et al. Reliability of different criteria in identifying end-of-life trajectory of patients with chronic medical diseases. PALIAR Project. Rev Esp Geriatr Gerontol 2010;45(4):203-12.

Costa MC, Mercadante EF. O Idoso residente em ILPI (Instituição de Longa Permanência do Idoso) e o que isso representa para o sujeito idoso. Kairós 2013;16(2):209-22.

Fratezi FR, Guitierrez BAO. Cuidador familiar do idoso em cuidados paliativos: o processo de morrer no domicílio. Ciênc saúde coletiva 2011;16(7):3241-8.

Sales CA, Silva A. A atuação do enfermeiro na humanização do cuidado no contexto hospital. Ciênc. cuid. saúde 2011;10(1):66- 73.

Brasil. Agência Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de cuidados paliativos. 2ª ed. 2012. Disponível em http:// biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/Manual-de-cuidados-paliativos-ANCP.pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Cuidado Paliativo. 1ª ed. São Paulo: CRM-SP, 2008, 689p.

Rodrigues IG, Zago MMF. Cuidados paliativos: realidade ou utopia? Ciênc. cuid. saúde 2009;8(suplem):136-41.

Oliveira PP, Amaral JG, Viegas SMF, Rodrigues AB. Percepção dos profissionais que atuam numa instituição de longa permanência para idosos sobre a morte e o morrer. Ciênc saúde coletiva 2013;18(9):2635-44.

Brasil, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil 2010. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/ periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios. pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018.

Bardin L. Análise de Conteúdo: Método. Lisboa: Portugal: Edições 70 Ltda, 155p.

Matsumoto DY. Cuidados Paliativos: conceitos, fundamentos e princípios. In: Manual de cuidados paliativos. 2ª ed. 2012. Disponível em http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/ uploads/2017/05/Manual-de-cuidados-paliativos-ANCP.pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018

Pessini L, Bertachini L. (orgs). Humanização e cuidados paliativos. 6ª. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004, 319p.

Menezes MF, Prado SD, Carvalho MCVS, Ferreira FR. Reflexões sobre alimentação saudável para idosos na agenda pública brasileira. Rev. bras. geriatr. gerontol 2015;18(3):599- 610.

Carvalho RT, Taquemori Lya. Nutrição em Cuidados Paliativos. In: Manual de Cuidados Paliativos. 2ª ed. 2012. Disponível em http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/ Manual-de-cuidados-paliativos-ANCP.pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018.

Santana FJ, Lima MCAM. Prevalência de quedas e dor musculoesquelética em idosos. Saúde Meio Ambient 2014;3(2):80-9.

Pereira T, Motta LDN, Gomes NG, Vilela JA, Luna AA. Desafios da implementação da assistência de enfermagem no âmbito nacional: um estudo bibliométrico. Rede de Cuidados em Saúde 2015;9(3):1-12.

Marinelli NP, Silva ARA, Silva DNO. Sistematização da assistência de enfermagem.desafios para a implantação. Rev. Enferm. Contemp 2015;4(2):254-63.

Barros APM, Pereira FG. Aplicabilidade da sistematização da assistência de enfermagem na Estratégia de Saúde da Família: uma revisão bibliográfica. R. G&S 2016;7(1):388-96.

Encarnação JF, Farinasso ALC. A família e o familiar cuidador de pacientes fora de possibilidades terapêuticas: uma revisão integrativa. Revista Semina: Ciênc. Biol. Saúde 2014;35(1):137-48.

Estevam FEB, Perdigão IS, Guimarães JC, Oliveira RCC, Lima APS, Chianca TCM, et al. Efetividade na identificação e resolução de necessidades psicossociais e psicoespirituais de pacientes.Enferm. Rev 2016;19(1):1-20.

Silva C, Souza D, Bango O. A enfermagem e os cuidados de proximidade enfermeiros /idosos. [Licenciatura em Enfermagem]. Cabo Verde-Portugal. Universidade do Mindelo 2013, 73p. Disponível em: http://www.portaldoconhecimento. gov.cv/bitstream/10961/3249/1/Silva%2C%20Sousa%20 e%20Bango%202013.%20A%20enfermagem%20e%20 os%20cuidados%20de%20proximidade%20enfermeiros-idosos.pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018.

Pinto AC, Marchesini SM, Zugno PI, Zimmermann KG, Dagostin VS, Soratto MT. A importância da espiritualidade em pacientes com câncer. Rev. Saúde. Com 2015;11(2):114-22.

Salci MA, Marcon SS. Enfrentamento do câncer em família. Revista Enfermagem 2011;20(esp.):178-86.

Mendonça JMB. Políticas públicas para idosos no brasil: análise à luz da influência das normativas internacionais. [Tese] Departamento de Serviço Social. Universidade de Brasília. Brasília 2015, 172p. Disponível em: http:// repositorio.unb.br/bitstream/10482/18823/1/2015_ JurilzaMariaBarrosMendonca.pdf. Acesso em 9 de Novembro de 2018.

Meneguin S, Ribeiro R. Dificuldades de cuidadores de pacientes em cuidados paliativos na estratégia da saúde da família. Texto Contexto-Enferm 2016;25(1):1-7.

Bergamim MD, Prado C. Problematização do trabalho em equipe em enfermagem: relato de experiência. Rev. Bras. Enferm 2013;66(1):134-37.

Jacowski M, Budal AMB, Lemos DS, Ditterich RG, Buffon MCM, Mazza VA. Trabalho em equipe: percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família. RBE 2016;30(2):1-9

Santos JLG, Lima MAD, Pestana AL, Colomé ICS, Erdmannn AL. Estratégias utilizadas pelos enfermeiros para promover o trabalho em equipe em um serviço de emergência. RGE 2016;37(1):1-7.

Lemos JC, Barros JDC. Equipe multidisciplinar: essencial para o cuidado dos idosos em instituição de longa permanência. Anais do 12°. Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem 2012. Disponível em: http://apps.cofen.gov.br/cbcenf/sistemainscricoes/anais. php?evt=3&sec=10&niv=7.3&mod=2&con=1637&pdf=1. Acesso em: 9 de novembro de 2018.

Lampert CDT, Scortegagna SA. Subjetividade e empatia no trabalho do cuidado. Revista de estudos organizacionais e sociedade. Farol 2015;2(5):756-58.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951