CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA DE CURA

Luciana Araújo Gurgel, Marília Ávila de Freitas Aguiar

Resumo


Introdução: O câncer é considerado um problema de saúde pública, desde 2005, pela Política Nacional de Atenção Oncológica. Com relação ao câncer infantojuvenil, verifica-se a existência de muitos estudos voltados ao diagnóstico e tratamento, sendo poucos os estudos que abordem a perspectiva de cura. Objetivo: Este trabalho trata de uma pesquisa em serviço sobre as demandas psicológicas de adolescentes em processo de cura, acompanhados no Centro Pediátrico do Câncer do Hospital Infantil Albert Sabin, em Fortaleza-Ceará. Método: Trata-se de um estudo de campo qualitativo e interventivo. Os participantes da pesquisa foram pacientes adolescentes que tiveram câncer, realizaram tratamento curativo, estavam em processo de cura e concordaram em participar. Resultados: Foi possível obter informações sociodemográficas dos pacientes, bem como dados sobre o tipo de câncer, o tempo de tratamento e sentimentos envolvidos durante a alta e no momento atual. Identificaram-se dúvidas, medos e angústias destes jovens. Conclusão: Visto a importância de um acompanhamento integral para os pacientes em ambulatório de cura oncológica, sugere-se ao serviço o aumento de profissionais acompanhando os pacientes nas consultas, tornando possível o atendimento com assistência social e psicologia. Sugere-se também a elaboração de uma Cartilha para Pacientes em Perspectiva de Cura a ser elaborado pela equipe de saúde. Percebe-se que ainda existem pouco estudos relacionados as consequências do câncer na infância e adolescência, principalmente com adolescentes e adultos jovens curados no que diz respeito a qualidade de vida relacionada à saúde. Para os psico-oncologistas este seria um excelente e necessário trabalho a ser desenvolvido.

 

Palavras-chave: Câncer; Psico-oncologia infantojuvenil; Cura.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.439/GM de 8 de dezembro de 2005. Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica: Promoção, Prevenção, Diagnóstico, Reabilitação e Cuidados Paliativos, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Brasília: DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, 9 dez 2005. Seção 1, p.80-81.

Organização Mundial de Saúde. Global Health Estimates 2015: Deaths by Cause, Age, Sex, by Country and by Region, 2000- 2015. Geneva, World Health Organization; 2016.

Brasil. Instituto Nacional De Câncer (INCA). ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: Inca, 2011.

Brasil. Instituto Nacional De Câncer (INCA). Divisão de Comunicação Social. Direitos sociais da pessoa com câncer. / Instituto Nacional de Câncer. – 2 ed. Rio de Janeiro: INCA, 2009.

Brasil. Instituto Nacional De Câncer (INCA). Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância. – Rio de Janeiro: Inca, 2011.

Beltrão M.; Vasconcelos M.; Pontes C.; Albuquerque M. Câncer infantil: percepções maternas e estratégias de enfrentamento frente ao diagnóstico. Jornal de Pediatria - Vol. 83, Nº 6,

Costa Junior ÁL. O desenvolvimento da psico-oncologia: implicações para a pesquisa e intervenção profissional em saúde. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 21, n. 2, June 2001.

Fonseca JP da. Luto antecipatório: as experiências pessoais, familiares e sociais diante de uma morte anunciada Campinas: Livro Pleno, 2004, 183p.

Bigheti A.; Valle ERM. Compreendendo as vivências de adolescentes com câncer: análise fenomenológica do TAT. In V. A. Carvalho et al. (Org.), Temas em psico-oncologia (pp. 218- 232). São Paulo: Summus. 2008, p. 228-232.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF, 1990.

Faulkner A.; Peace G.; O’Keeffe C. When a child has cancer. London: Chapman & Hall. 1995.

Ortiz MCA. Experiências de pais de crianças e adolescentes após o tratamento do câncer: subsídios para o cuidado de enfermagem. 2006. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.

Ries LAG. et al. (Eds). SEER cancer statistics review, 1973-1999. Bethesda: Cancer Institute, 2002, 59p.

Souza CMC de, et al. Avaliação da qualidade de vida de sobreviventes de leucemia na infância. Temas psicol., 2012;(20(2): 436-450.

Ferreira TC.; Silva CHM. Qualidade de vida de crianças e adolescentes com leucemia linfoide aguda. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, ca. 2007.

Araújo TCCF. de; Arraes A da R. A sobrevivência em oncologia: uma vivência paradoxal. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 18, n. 2, p. 2-9, 1998 .

Perina E. A vida após o Câncer. Aula virtual da disciplina de Psico-Oncologia Pediátrica ministrada pela professora Elisa Perina na pós-graduação a distância em Psico-Oncologia da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais. Belo Horizonte (Ciências Médicas Virtual, FELUMA), 2016.

Perina E.; Mastellaro MJ.; Nucci NAG. Efeitos tardios do tratamento do câncer na infância e adolescência. In: V. A. Carvalho e cols., Temas em Psico-Oncologia. São Paulo: Summus, 2008, p. 496 504.

Whitaker MAO. A vida após o tratamento o câncer infantojuvenil: experiências de sobreviventes. Tese de Doutorado apresentada à Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP. Ribeirão Preto, 2010.

Zebrack B. Information and service needs for Young adult câncer patients. Supportive Care in Cancer, Berlin, v. 16, n. 12, p. 1353-1360, 2008.

Araújo TCCF. de. Câncer Infantil: intervenção, formação e pesquisa em psico-oncologia pediátrica. Psicol. hosp. (São Paulo), São Paulo , v. 4, n. 1, jan. 2006.

Carvalho M. (Coord.). Introdução a Psiconcologia. Campinas: Livro Pleno, 1994.

SIOP. Comitê Psicossocial da Sociedade Internacional de Oncologia Pediátrica (2000). Orientações Psicossociais em Oncologia Pediátrica (Françoso, L.P.C. & Valle, E. R. M. Trad., permitida por John Wiley and Sons, Inc. e publicada pelo Comitê Nacional de Psico-Oncologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia). Ribeirão Preto: Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC).

Oliveira APZ. Buscando a cura: a experiência dos pais da criança que sobrevive ao câncer. 2002. 102 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

Ortiz MCA.; Lima RAG. de. Experiências de familiares de crianças e adolescentes, após o término do tratamento contra câncer: subsídios para o cuidado de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2007; 15(3): 411-417.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951