PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES ATENDIDOS POR COMPORTAMENTO SUICIDA EM UM SERVIÇO DE URGÊNCIA EM PSIQUIATRIA DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DE BELO HORIZONTE

Julia Passini Tostes, Luciana Rodrigues da Cunha, Amanda Carvalho Mitre Chaves, Maria Carolina Lobato Machado

Resumo


Introdução Saúde mental é um tema bastante discutido pelo seu papel no bem-estar do indivíduo. A elevada prevalência de transtornos mentais que levam à ideação ou tentativa de autoextermínio (TAE) evidencia a demanda por informação e discussão sobre o tema, de forma a ampliar medidas de auxílio aos pacientes. Nesse cenário, constata-se que pesquisas nessa área são de grande relevância. Objetivo: Avaliar a prevalência de pacientes que são atendidos por comportamento suicida no Serviço de Urgência de Psiquiatria do Centro Psíquico da Adolescência e Infância (CEPAI) e analisar o perfil epidemiológico destes pacientes. Método: Estudo transversal, baseado na análise de prontuários de pacientes atendidos no período de junho de 2017 a maio de 2018. Resultados: O estudo foi realizado a partir de dados de prontuários de 2319 atendimentos de pacientes de até 20 anos e idade média de 12,98 anos ± 3,80. Observou-se uma taxa de 15,5% atendimentos por TAE e 22,7% por ideação suicida. Nos atendimentos por TAE, 66,7% apresentavam ideação/TAE prévia e 79% apresentaram história familiar de transtorno psiquiátrico. O meio mais utilizado em TAE no sexo masculino foi enforcamento (42,6%) e no feminino, intoxicação medicamentosa (69%). Conclusão: TAE configura-se um importante problema de saúde pública em crianças e adolescentes e está associada a diversos aspectos psicossociais. Portanto, a atenção ao perfil clínico-epidemiológico dos pacientes é primordial para a identificação precoce de casos de transtornos mentais e ideação suicida visando um tratamento adequado, bem como outras medidas para mitigar as taxas de autoextermínio.

 

Palavras-chave: Suicídio; Ideação suicida; Saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Organização Mundial de Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) - 1946 [acesso em: 25 nov 2017]. Disponível em: .

Kennebeck S; Bonin L. Suicidal behavior in children and adolescents: Epidemiology and risk factors. Uptodate, 2017. Disponível em < https:// www.uptodate.com/contents/suicidal-behavior-in-children-and-adolescents-epidemiology-and-risk-factors?source=search_result&search=Suicidal%20 ideat ion%20and%20behav ior%20in%20chi ldren%20and%20 adolescents:%20Evaluation%20and%20management&selectedTitle=2~150>

World Health Organization. Preventing suicide: a global imperative Geneva. 2014 [acesso em: 20 agosto 2014]. Disponível em:

Vásquez-Rojas R, Quijano-Serrano M. Cuándo el intento de suicidio es cosa de los niños. Rev Colomb Psiquiatr. 2013;43 Suppl 1:36-46.

Dobson ET, Keeshin BR, Wehry AM, et al. Suicidality in psychiatrically hospitalized children and adolescents: Demographics, treatment, and outcome. Ann Clin Psychiatry. 2017;29(4):258-265.

Scivoletto S, Boarati M A; Turkiewicz, G. Emergências psiquiátricas na infância e adolescência. Rev Bras Psiquiatr. 2010. v. 32; supl. 2, p. 112-120.

Shaffer D, et al. Psychiatric Diagnosis in Child and Adolescent Suicide. Arch Gen Psychiatry. 1996; 53:339–348.

Shain B and AAP COMMITTEE ON ADOLESCENCE. Suicide and Suicide Attempts in Adolescents. Pediatrics. 2016;138(1):e20161420.

Alves Junior CAS, Nunes HEG, Gonçalves ECA, Silva DAS. Suicidal behaviour in adolescents: Characteristics and prevalence. J Hum Growth Dev. 26(1): 88-94. Doi: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.113733. 2016

Azevedo A, Matos AP. Ideação suicida e sintomatologia depressive em adolescentes. Psicologia, Saúde & Doença. 2014.

Tonezer J, Muller T, Rocha G. , Recondo R , Nogueira E, Spanemberg L. Clinical Profile and Sex Differences in Brazilian Children and Adolescents Receiving Psychiatric Services in the Emergency Department. Pediatric Emergency Care. 2015.

Grunbaum JA, Kann L, Kinchen S, Ross J, Hawkins J, Lowry R, Harris WA, McManus T, Chyen D, Collins J. Centers for Disease Control and Prevention. Youth risk behavior surveillance--United States, 2003. MMWR Surveill Summ. 2004.

Nock, Matthew K., Jennifer Greif Green, Irving Hwang, Katie A. McLaughlin, Nancy A. Sampson, Alan M. Zaslavsky, and Ronald C. Kessler. 2013. “Prevalence, Correlates, and Treatment of Lifetime Suicidal Behavior Among Adolescents.” JAMA Psychiatry 70 (3) (March 1): 300. doi:10.1001/2013.

McKinnon B, Gariépy G, Sentenac M, Elgar FJ. Adolescent suicidal behaviours in 32 low- and middle-income countries. Bull World Health Organ. 2016.

Brent DA, Melhem NM, Oquendo M, Burke A, Birmaher B, Stanley B, Biernesser C, Keilp J, Kolko D, Ellis S, Porta G, Zelazny J, Iyengar S, Mann JJ. Familial pathways to early-onset suicide attempt: a 5.6-year prospective study.. JAMA Psychiatry. 2015;72(2):160Eaton DK, Kann L, Kinchen S, et al. Youth risk behavior surveillance - United States, 2011. MMWR Morbidity and Mortality Weekly Report Surveillance Summaries 2012.

Qin P, Agerbo E, Mortensen PB. Suicide risk in relation to family history of completed suicide and psychiatric disorders: a nested case-control study based on longitudinal registers. Lancet. 2002.

Jefrey A. Bridge, Tina R. Goldstein, and David A. Brent adolescent suicide and suicidal behavior. Journal of Child Psychology and Psychiatry 47:3/4; 2006.

Bordin, I. A. S., & Paula, C. S. Estudos populacionais sobre saúde mental de crianças e adolescentes brasileiros. In M. F. M. Mello, A. Mello, & R. Kohn, (Orgs.). Epidemiologia da saúde mental no Brasil, (PP.101-118). Porto Alegre: Artmed, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951