CUIDADOS PALIATIVOS NO CTI DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Lorrayne Caroline Moreira de Oliveira, Luciana Vieira Teixeira, Glaucia Rezende Tavares

Resumo


Introdução: O cuidado paliativo (CP) tem como finalidade dar suporte aos pacientes que enfrentam doenças ameaçadoras à vida e aos seus familiares nos âmbitos físicos, psicossociais e espirituais. Com as evoluções da medicina, o número de pacientes com doenças crônico-degenerativas nos Centros de Terapia Intensiva (CTI) aumentou, sendo, por isso, importante a adoção do paliativismo no CTI. Além disso, esse é o primeiro ambiente que acadêmicos e residentes vivenciam a terminalidade. De acordo com o Panorama dos Cuidados Paliativos no Brasil, da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP) de 2018, apenas 14% das graduações de medicina oferecem a disciplina CP em seu currículo. Objetivo: Este estudo analisou o conhecimento dos profissionais do CTI de um hospital universitário sobre CP. Método: Estudo transversal com aplicação dos questionários: Bonn Palliative Care Knowledge e sociodemográfico. O corpo clínico do CTI foi convidado a participar e foram analisados 95 questionários. Resultados: A análise do percentual de acerto dos profissionais para os tópicos que avaliam conhecimentos gerais sobre CP foi de 51%. Cerca de 80% dos participantes não possuía formação específica em CP e mais de 90% revelou desejo de ampliar seus conhecimentos na área. Conclusão: O estudo corrobora a realidade no Brasil, onde, a maioria das instituições de ensino em saúde não aborda os CP, formando profissionais pouco capacitados para a implementação do paliativismo e despreparados para lidar com o morrer, uma vez que, no questionário analisado, a maioria dos profissionais respondeu de forma incorreta questões sobre princípios básicos dos CP.

 

Palavras-chave: Cuidados paliativos; Unidades de terapia intensiva; Terapias complementares.


Texto completo:

PDF

Referências


Lopes SAP. Cuidados paliativos: conhecimentos dos estudantes de licenciatura em enfermagem [dissertação]. Portugal: Instituto Politécnico de Viseu; 2013.

Carvalho RT, Parsons HA. Manual de Cuidados Paliativos ANCP. 2ªed. Rio de Janeiro: Niura Fernanda Souza, 2012, 592p.

Pessini L, Bertachini L. Novas perspectivas em cuidados paliativos: ética, geriatria, gerontologia, comunicação e espiritualidade. O mundo da saúde 2005; 29 (4): 491-509.

Machado MA. Cuidados Paliativos e a Construção da Identidade Médica Paliativista no Brasil [dissertação]. Brasil: Fundação Oswaldo Cruz; 2009.

Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). Análise Situacional e Recomendações para Estruturação de Programas de Cuidados Paliativos no Brasil. São Paulo: Academia Nacional de Cuidados Paliativos; 2018.

Machado KDG, Passini L, Hossne WS. A formação em cuidados paliativos da equipe que atua em unidade de terapia intensiva: um olhar da bioética. Centro Universitário São Camilo 2007; 1(1): 34-42.

Filho RCC, Costa JLF, Gutierrez FBR, Mesquita AF. Como implementar cuidados paliativos de qualidade na unidade de terapia intensiva. Rev. Bras. Ter. Intensiva 2008; 20 (1): 88-92.

Azulay AT. Las diferentes formas de morir: reflexiones éticas. Anales de Medicina Interna 2004; 21 (7): 355-358.

Sartori AV, Battistel ALHT. A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos de enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cad. Bras. Ter. Ocup. 2017; 25 (3): 497-508.

Pfister D, Müller M, Müller S, Kern M, Rolke R, Radbruch L. Validierung des Bonner Palliativwissenstests (BPW). Der Schmerz 2011; 25 (6): 643- 653.

Minosso JSM, Martins MMFPS, Oliveira MAC. Adaptação transcultural do Bonn Palliative Care knowledge Test: um instrumento para avaliar conhecimentos e autoeficácia. Rev. Enf. Ref. 2017; 4(13): 31-42.

Lemos CFP, Barros GS, Melo NCV, Amorim FF, Santana AN. Evaluation of Medical Students’ Knowledge of Palliative Care. Revista Brasileira de Educação Médica 2017; 41 (2): 278-282

Furtado CR, Gehlen HM, Ventura J, Paula SF, Pereira AD, Ferreira CL, et al. A bioética no cotidiano hospitalar e o desenvolvimento dos cuidados paliativos pela equipe de enfermagem. Disciplinarum Scientia 2018; 19 (2): 245-253.

14. Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA). Dor e Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Anestesiologia; 2018.

15. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Cuidados Paliativos. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2008.

Almeida, SCT. A morte faz falar: optimizar a comunicação em cuidados paliativos para optimizar os cuidados em fim de vida [Dissertação]. Lisboa: Faculdade de Psicologia e de Ciência da Educação – Universidade de Lisboa; 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951