ABORDAGEM DE PRECEPTORES DE FISIOTERAPIA ACERCA DA SEXUALIDADE DOS PACIENTES: UM ESTUDO TRANSVERSAL

Wagner Rodrigues Apolinário, Fernanda Fonseca Tavares, Silvia Fernanda de Oliveira Nogueira, Janaine Cunha Polese, Carolina Marques Carvalho Mitre Chaves, Andrei Pereira Pernambuco

Resumo


Introdução: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades. O conceito de saúde requer uma abordagem global que considere todos os componentes do modelo biopsicossocial. A sexualidade não pode ser ignorada, pois é um elemento importante para a vida humana. Problemas com a sexualidade podem interferir negativamente em como o indivíduo enxerga sua saúde e dificultar ainda mais o enfrentamento de suas incapacidades. Objetivo: Avaliar a abordagem do tema sexualidade por parte dos preceptores de estágios de uma clínica escola de Fisioterapia. Método: Foram entrevistados 15 preceptores de estágio de fisioterapia, 13 mulheres (86,7%), com média de tempo de formação de 20,6±7,1 anos e tempo de preceptoria de 12,8±3,9 anos. Utilizou-se uma entrevista semi-estruturada para a coleta dos dados, que continha questões acerca da avaliação da sexualidade dos pacientes. A entrevista foi gravada e, em seguida, as respostas foram transcritas. Resultados: Foi constatado que 86,7% dos preceptores não abordam a sexualidade dos pacientes, apesar de a considerarem um assunto importante. Somente 20% dos entrevistados se sente preparado para abordar este tema e, as principais barreiras e dificuldades apontadas foram medo de constrangimento, falta de equipe multidisciplinar, de literatura e de preparo. Conclusão: Este estudo demonstrou que não há uma abordagem adequada pelos preceptores sobre a sexualidade dos pacientes de uma clínica escola de fisioterapia. Tal achado é relevante já que se refere a profissionais experientes, formadores de opinião e de mão de obra.

Palavras-chave: Sexualidade; Fisioterapia; Disfunção Sexual; Biopsicossocial; Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF).


Texto completo:

PDF

Referências


OMS/OPAS. Classificação Internacional de Funcionalidade e Incapacidade e Saúde, CIF. 1aed. 2 Reimpr atual. São Paulo: Editora de Universidade de São Paulo, 2015.

Engel GL. The Need for a Medical Model: A Challenge for Biomedicine. Science. 1977;196(4286):129-36.

Lew-Starowicz Z, Skrzypulec V, editors. Podstawyseksuologii. Warszawa: Wyd. Lekarskie PZWL; 2010. In: Beata Z, Maślińska M. The importance of physiotherapy in the sexuality of patients with rheumatic diseases. Reumatologia 2017;55(5):237-241.

Galati MCR, AlvesJr EO, Delmashio ACC, Horta ALM. Sexualidade e qualidade de vida em homens com dificuldades sexuais. Psico-USF 2014;19(2): 243-252.

Areskoug-Josefsson K, Gard G. Fisioterapia como promotor da saúde sexual. Physiother Teoria Pract, 2015;31(6):390-395.

MEC. Curso de Graduação em fisioterapia. Proposta de diretrizes curriculares.Parecer CNE/CES nº 1.210/2001, aprovado em 12 de setembro de 2001.

Shaw JA, DeForge RT. Physiotherapy as bricolage: Theorizing expert practice. Physio Theor Prac, 2012;28(6):420-427.

Bispo Junior JP. Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. HistCiencSaúde 2009;16(3):655-668.

Pagliosa FL, Da RosMA.O relatório flexner: para o bem e para o mal. RevBras de Educação Médica 2008;32(4):492-499.

Nilson MI, Fugl-MeyerK,Von Koch L, Ytterberg C. Experiences of Sexuality Six Years After Stroke: A Qualitative Study. J Sex Med 2017 Jun;14(6):797-803

Giorgi A. Concerning the application of phenomenology to caring research. Scand J Caring Sci 2000;14(1):11-15.

Resumo técnico: Censo da Educação Superior, 2015. 2aed. Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018.

Steinke EE, Jaarsma T, Barnason SA, Byrne M, Doherty S, Dougherty CM, et al. Sexual counselling for individuals with cardiovascular disease and their partners: a consensus document from the American Heart Association and the ESC Council on Cardiovascular Nursing and Allied Professions (CCNAP).Eur Heart J2013;34(41):3217-3235.

Begot I, Peixoto TCA, Gonzaga LRA, Bolzan DW, Papa V, Carvalho ACC, et al. A Home-Based Walking Program Improves Erectile Dysfunction in Men With an Acute Myocardial Infarction. Am J Cardiol 2015; 115(5):571-5.

Belardinelli R, Lacalaprice F, Faccenda E, Purcaro A, Perna G. Effects of short-term moderate exercise training on sexual function in male patients with chronic stable heart failure.Int J Cardiol 2005; 101(1):83-90.

Santos T, Drummond M, Botelho F. Erectile dysfunction in obstructive sleep apnea syndrome--prevalence and determinants.RevPortPneumol 2012;18(2):64-71.

Wiegerink D, Roebroeck M, Bender J, Stam H, Cohen-Kettenis P. Sexuality of Young Adults with Cerebral Palsy: Experienced Limitations and Needs. Sex Disabil 2011;29(2):119–128.

Sandyk R. AC pulsed electromagnetic fields induced sexual arousal and penile erections in Parkinson’sdisease. IntJ Neurosci 1999;99(1-4):139-49.

Silva SLFG. Neuropsicofisiologia do desejo sexual: alguns aspectos da regulação funcional da motivação sexual. Belo Horizonte: UFMG Faculdade de Ciencias Biologicas 2011.

Gusmão FAF, Moreira LMA. Aspectos genéticos e sociais da sexualidade em pessoas com Síndrome de Down. Rev Bras Pisiquiatr 2002;24(2):94-99.

Josefsson KA, Gard G. Women’s experiences of sexual health when living with rheumatoid arthritis - An explorative qualitative study. BMC Musculoskelet Disord 2010;11:240.

Beata Z, Maślińska M. The importance of physiotherapy in the sexuality of patients with rheumatic diseases. Reumatologia 2017;55(5):237-241.

Jiménez TMM, Fernández-Sola C, Padila JMH, Casado MC, Raynal LHA, Molina JG. Perceptions about the sexuality of women with fibromyalgia syndrome: a phenomenological study. J ADV Nurs 2017;73(7):1646-1656.

Lisboa LL, Sonehara E , Oliveira KCAN, Andrade SC, Azevedo GD. Efeito da cinesioterapia na qualidade de vida, função sexual e sintomas climatéricos em mulheres com fibromialgia. Rev Bras Reumatol 2015;55(3):209–215.

Rosenbaum TY. Musculoskeletal pain and sexual function in women. J Sex Med 2010;7(2 Pt 1): 645-53.

Word health Organization. Defining sexual health: report of a technical consultation on sexual health 28–31 January 2002, Geneva. Geneva 2006.

Alves NA. A importância da atuação do fisioterapeuta no ambiente hospitalar. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 2012;16(6):173-184.

Mamprin AMP. A importância da educação sexual na escola para prevenção de conflitos gerados por questões de gênero. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2009.

Pecorari EPD, Cardoso LRD, Figueiredo TFB. Orientação sexual em escolas de ensino fundamental: um estudo exploratório. Cad. Psicopedag 2005;5(9).

Pontes AF. Sexualidade: vamos conversar sobre isso? [dissertação]. Abel Salazar: Universidade do Porto 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951