PREVALÊNCIA DE DERMATOSES ATENDIDAS EM UM AMBULATÓRIO UNIVERSITÁRIO

Marina Patrus Ananias de Souza Brandão, Jacqueline Araújo Lima, Franciele Antonieta Bianchi Leidenz

Resumo


Introdução: As doenças de pele estão entre as três primeiras causas de busca por atendimento de saúde no Brasil. Tendo em vista sua elevada prevalência, é necessário conhecer quais as doenças mais frequentemente encontradas, para avaliação de políticas de prevenção e educação populacional. Objetivo: Avaliar a prevalência de dermatoses atendidas em um serviço ambulatorial vinculado à uma instituição de ensino. Método: Trata-se de um estudo retrospectivo transversal, descritivo e documental, que tem como principal fonte de dados os prontuários pertencentes ao ambulatório de dermatologia de uma universidade privada, referentes ao ano de 2014. Resultados: Foram avaliados 659 prontuários de pacientes e eczema foi o diagnóstico mais frequente, correspondendo a 15,0%. Acne foi o segundo diagnóstico mais comum, encontrado em 13,6% dos casos, ceratose seborreica em 8,9%, micoses em 7,4% e dermatite seborreica foi diagnosticada em 6,7% dos pacientes. Conclu são: Conhecer as doenças dermatológicas mais prevalentes é uma ferramenta importante na promoção de políticas públicas de qualidade que visem à educação e o planejamento em saúde.

 

Palavras-chave: Dermatopatias; Prevalência; Assistência Ambulatorial.


Texto completo:

PDF

Referências


Nahass, GT et al. Prevalence of cutaneous findings in hospitalized medical patients. J Am Acad Dermatol. 1995;33(2):207-11.

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Nosologic profile of dermatologic visits in Brazil. As Bras Dermatol. 2006;81(6): 549-58.

Taborda, ML et al. Avaliação da qualidade de vida e do sofrimento psíquico de pacientes com diferentes dermatoses em um centro de referência em dermatologia no sul do país. An. Bras. Dermatol. 2010;85(1): 52-56.

Alves GB, Nunes DH, Ramos LD. Prevalência das dermatoses no ambulatório de dermatologia da UNISUL. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2007;36(1);65-68.

Agostinho CM, Cavalcante KMH, Cavalcanti PP, Pereira DL. Doenças dermatológicas frequentes em Unidade Básica de Saúde. Cogitare Enferm. 2013; 18(4); 715-21.

Cardoso PO, Giffoni RG, Alberti LR. Perfil epidemiológico das doenças dermatológicas em Centro de Saúde de Atenção Primária. Rev Med Minas Gerais. 2013;23(2); 169-72.

Ferreira CN, Galvao TF, Mazzola PG, Leonardi GR. Avaliação do conhecimento sobre fotoproteção e da exposição solar de estudantes universitários. Surg Cosmet Dermatol. 2018;10(1);46-50.

Castilho IG, Souza MAA, Leite RMS. Photoexposure and risk factors for skin cancer: an evaluation of behaviors and knowledge among university students. An Bras Dermatol. 2010;85(2); 173-78.

Van der Pols JC et al. Long-term increase in sunscreen use in an Australian community after a skin cancer prevention trial. Prev Med. 2006;42(3);171-76.

Lopes LRS, Kundman D, Duarte IAG. Avaliação da frequência de dermatoses no serviço ambulatorial de dermatologia. An. Bras. Dermatol. 2010;85(2);264-66.

Pereira AL et al. Ceratose seborreica em idosos de uma região de savana tropical. Journal Health NPEPS. 2018;3(1);143-52.

Sittart JAS, Zanardi FHT. Prevalência das dermatoses em pacientes da 4ª idade. Rev Soc Bras Clin Med. 2008;6(4);125-29.

Ministério da Saúde. Dermatologia na Atenção Básica de Saúde. Cadernos de Atenção Básica. 2002;9(174);1-142.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951