QUALIDADE DE VIDA E SINTOMAS CLIMATÉRICOS EM MULHERES DE MEIA- IDADE QUE NÃO ESTÃO EM USO DE TERAPIA HORMONAL

Elísia Campos dos Santos, Elisa Dall’Orto Figueiredo Piuzana, Maria Eugênia Rezeck Braga Hibner, Marina Bahia Monteiro, Mayara Ferreira dos Reis, Martha Pantel Santos Mota

Resumo


Introdução: O climatério representa a transição da vida reprodutiva para a não reprodutiva e, dentro desse período, ocorre a menopausa. Este período e o aumento na expectativa de vida mundial têm trazido preocupações relacionadas à qualidade de vida (QV). Objetivos: Ava­liar a QV e a ocorrência de sintomas climatéricos e avaliar a relação entre a QV e os sintomas climatéricos em relação às características só­cio-demográficas e clínicas em mulheres de 40 a 65 anos que não fazem uso de terapia de reposição hormonal em consultório particular de ginecologia. Métodos: Estudo transversal, no período de janeiro/16 a janeiro/17 realizado em 137 mulheres climatéricas, de 40 a 65 anos. Foi aplicado um questionário para avaliar as características sócio-demográficas, fases do climatério, índice de massa corporal e prática de atividade física regular. Os sintomas climatéricos e a QV foram avaliados pelo Índice Menopausal de Blatt e Kupperman (IMBK) e pelo Questionário de Saúde Geral da Mulher (QSM)- Womens Health Questionnaire (WHQ). Resultados: Mulheres divorciadas/separadas, obesas, com baixa escolaridade e renda mais baixa apresentaram pior QV. As dimensões mais afetadas de QV foram sintomas somáticos, distúrbios do sono e memória/concentração. A maioria dos sintomas climatéricos foi considerada leve. Os sintomas nervosismo, ondas de calor, cefaleia e artralgia/mialgia foram declarados como intensos. Pior qualidade de vida foi observada em mulheres com idade entre 50-59 anos (p=0,038). Piores sintomas climatéricos foram observados em mulheres com idade entre 50-59 anos (p=0,038) e na pós-meno­pausa (0,005). Conclusão: Mulheres entre 50 e 59 apresentaram pior QV quando comparadas às de 40-49 anos. Os sintomas climatéricos também foram mais importantes nesta faixa etária. Os sintomas somáticos, de intensidade leve, foram os mais frequentemente relatados. No entanto, aqueles classicamente descritos na literatura, como ondas de calor, nervosismo e cefaleia também foram considerados como intensos e podem ter impactado a QV.

Palavras chave: Qualidade de vida; Avaliação de Sintomas; Menopausa; Climatério.


Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). The world health report 2002: reducing the risks, promoting healthy life. Geneva, 2002.

Harlow SD, Gass M, Hall JE, Lobo R, Maki P, Rebar RW et al. Executive summary of the Stages of Reproductive Aging Workshop 10: addressing the unfinished agenda of staging reproductive aging. Menopause. 2012 Apr;19(4):387-95.

Study protocol for the World Health Organization project to develop a quality of life assessment instrument (WHOQoL). Qual Life Res 1993;2:153-159.

De Lorenzi DRS, Danelon C, Saciloto B, et al. Fatores indicadores da sintomatologia climatérica. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27:12-9.

Piazza IP, De Lorenzi DRS, Sacilato B. Avaliação do risco cardiovascular entre mulheres climatéricas atendidas em um programa de saúde da família. Rev Gaucha Enferm. 2005; 26(2):200-9.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: Report of a WHO Consultation on Obesity; 1995.

Alder E. The Blatt-Kupperman menopausal index: a critique. Maturitas. 1998;29(1):19-24.

Holte A. Menopause, mood and Hormone replacement therapy: Methodol. issues. Maturitas 1998; 29: 5–18.

Jacobs P, Hyland ME, Ley A. Self rated menopausal status and quality of life in women aged 40–63 years. Brit J Health Psych 2000; 5: 395–411.

Hunter MS: The Women’s Health Questionnaire (WHQ): the development, standardization and application of a measure of mid-aged women’s emotional and physical health. Quality of Life Res 2000, 9:733-738.

Dias RS, Ramos CC, Kerr-Corrêa F. Adaptação para o português do questionário de auto-avaliação de percepção de saúde física e mental da mulher de meia-idade – Questionário da Saúde da Mulher. Revista de Psiquiatria Clínica. 2002;29:181–189.

Speroff L. The perimenopause: definitions, demography, and physiology. Obstet Gynecol Clin North Am. 2002;29(3):397- 410.

Karac AMZ, Seker SE. Factors associated with menopausal symptoms and their relationship with the quality of life among Turkish women. Maturitas 2007;58:75-82.

Avis NE, Assmann SF, Kravitz HM, Ganz MP, Ory M. Quality of life in diverse groups of midlife women: assessing the influence of menopause, health status and psychosocial and demographic factors. Qual Life Res 2004;13:933-946.

Rosie Bauld R, Brown RF. Stress, psychological distress, menopause symptoms and physical health in women. Maturitas 2009;62:160-165.

Katainen RE, Siirtola TJ, Engblom JR, Erkkola RU, Kantola PP. Um levantamento populacional da qualidade de vida em mulheres finlandesas de meia-idade. Menopause: The Journal of The North American Menopause Society. 2015 Abril; 22(4):402-13.

Fallahzadeh H. Quality of life after the menopause in Iran: a population study. Qual Life Res 2010; 19:813–819.

Moilanen JM, Aalto AM, Raitanen J, Hemminki E, Aro AR, Luoto R. Physical activity and change in quality of life during menopause – an 8-year follow-up study. Health Qual Life Outcomes 2012; 10:8.

Silva Filho EA, Costa AM. Avaliação da qualidade de vida de mulheres no climatério atendidas em hospital-escola na cidade do Recife, Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008; 30(3):113- 20.

Chiu Y-W, Moore RW, Hsu CE, Huang C-T, Liu H-W, Chuang H-Y. Factors influencing women’s quality of life in the latter half of life. Climacteric 2008;11:201-211.

Sherman S, Miller H, Nerukar L, et al. NIH State-of-the- Science Conference on Management of Menopause-Related Symptoms, March 21–25, 2005. Am J Med. 2005; 118(suppl 2):1–172.

Freeman EW, Sammel MD, Lin H. Temporal associations of hot flashes and depression in the transition to menopause. Menopause. 2009; 16:728–734.

El Khoudary SR, GreendaleG, Crawford SL, Avis NE, Brooks MM et al. The menopause transition and women’s health at midlife: a progress report from the Study of Women’s Health Across the Nation (SWAN). Menopause. 2019 Oct;26(10):1213-1227.

Dotlic J, Kurtagic I, Nurkovic S, Kovacevic N, Radovanovic S, et al. Factors associated with general and health-related quality of life in menopausal transition among women from Serbia. Women and Health. 2018;58(3), 278-296.

Shin H. Comparação de medidas de qualidade de vida em mulheres coreanas na menopausa. Res Nurs Health. 2012 Aug;35(4):383-96.

Ferrand F, Hajri S, Benzineb S, Draoui DM, Hassoun D, Delanoë D, Zins M, Ringa V. Comparative study of the quality of life associated with menopause in Tunisia and France. Menopause. 2013 Jun;20(6):609-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951