EFEITO DA LIBERAÇÃO MIOFASCIAL EM FIBROSE NO PÓS-OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO EM ABDOME: UM ESTUDO PILOTO

Daniela Sobral Pereira, Maria Lina de Almeida Sá, Juliana Guimarães de Oliveira, Janaine Cunha Polese, Fernanda Souza da Silva

Resumo


Introdução: A fibrose é uma complicação recorrente no pós-operatório (PO) de cirurgia plástica e quando não tratada pode comprometer a estética da cirurgia, restringir movimentos, causar dor e insatisfação do paciente. A liberação miofascial pode ser uma opção de tratamento para tal disfunção, pois consiste em técnicas de mobilização e deslizamento tecidual aplicadas para liberar restrições e rigidez do tecido lesado. Objetivo: Avaliar o efeito da liberação miofascial na redução de fibroses em PO de lipoaspiração. Método: Um estudo piloto, onde a amostra foi composta por seis participantes em PO de lipoaspiração (média de 55,17 dias) que apresentavam fibroses na região do abdome, sendo divididas em dois grupos, o experimental recebeu a técnica de liberação miofascial no abdome e o controle recebeu a técnica de drenagem linfática manual. Nos grupos foram realizadas cinco sessões de 60 minutos de duração. A avaliação da fibrose foi realizada por meio do protocolo PANFIC, do ultrassom de imagem (US), da fotodocumentação do questionário de satisfação. As avaliações foram realizadas por um pesquisador cego em relação à intervenção realizada. Resultados: Foi observado que os participantes do grupo experimental apresentaram diminuição dos níveis de fibrose, redução das medidas do tecido subcutâneo pelo US de imagem e melhora perceptível do aspecto da fibrose pela fotodocumentação e pelo questionário de satisfação. Conclusão: A liberação miofascial pode ser uma alternativa interessante para a diminuição dos níveis de fibrose no PO da cirurgia relatada. Porém, faz-se necessária a realização de novos estudos para aumentar a validade externa dos achados.

Palavras-chave Fisioterapia; Fibrose; Cirurgia plástica.


Texto completo:

PDF

Referências


Silva RMV, Santiago LT, Fonseca WT, Ferreira ALM, Lopes KLD, Meyer PF. Avaliação da fibrose cicatricial no pós-operatório de lipoaspiração e/ou abdominoplastia. Catussaba 2014;3(2):19-28.

International Society of Aesthetic Plastic Surgery. Global Survey Press Release. 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2019.

Silva RMV, Silva LM, Ramos MLVS, Silva ACF, Meyer PF. Investigação sobre o encaminhamento médico aos tratamentos fisioterapêuticos de pacientes submetidos à cirurgia plástica estética. Cad. Esc. de Sau. 2012;2(8):13-26.

Schwuchow LS, Souza VP, Pellini E, Caloy L, Resende TL. Estudo do uso da drenagem linfática manual no pós-operatório da lipoaspiração de tronco em mulheres. Rev Grad. 2008;1(1):1-9.

Triana L, Triana C, Barbato C, Zambrano M. Liposuction: 25 Years of Experience in 26,259 Patients Using Different Devices. Aesthet Surg J. 2009;29(6):509–512.

Al Dujaili Z., Karcher C., Henry M., Sadick N. Fat reduction - Complications and management. J Am Acad Dermatol. 2018;79(2),197–205.

Chia CT, Neinstein RM, Theodorou SJ. Evidence-Based Medicine: Liposuction. Plast Reconstr Surg. 2017;139(1):267–274.

Altomare M, Monte-Alto-Costa A. Manual Mobilization of Subcutaneous Fibrosis in Mice. J Manipulative Physiol Ther. 2018;41(5):359–362.

Klingberg F, Hinz B, White ES. The myofibroblast matrix: implications for tissue repair and fibrosis. J Pathol 2013;229(2):298-309.

Dubay DA, Wang X, Kirk S, Adamson B, Robson MC, Franz MG. Fascial fibroblast kinetic activity is increased during abdominal wall repair compared to dermal fibroblasts. Wound Repair Regen 2004;12(5):539-545.

He Y, Grinnell F. Stress relaxation of fibroblasts activates a cyclic AMP signaling pathway. J Cell Biol. 1994;126(2):457–464.

Ingber DE, Folkman J. Mechanochemical switching between growth and differentiation during fibroblast growth factor-stimulated angiogenesis in vitro: role of extracellular matrix. J Cell Biol. 1989;109(1):317– 330.

Hinz B, Gabbiani G. Fibrosis: recent advances in myofibroblast biology and new therapeutic perspectives. F1000 Biol Rep. 2010;2(78):1-5.

Lange A, Chi A. Fibrose - Da Prevenção ao Tratamento. 1ª ed. Lange, 2018,183p.

Avraham T, Clavin NW, Daluvoy SV, Fernandez J, Soares MA, Cordeiro AP, et al. Fibrosis Is a Key Inhibitor of Lymphatic Regeneration. Plast Reconstr Surg. 2009;124(2):438–450.

Pivetta HMF, do Nascimento M, Berté R, Fleck C, Foletto HJ, Dotto GN. Avaliação clínica e por subtração digital fotográfica dos efeitos do ultrassom e da massoterapia em fibrose tecidual tardia pós-operatória à lipoaspiração. Fisioter Bras. 2011;12(2):100-106.

Borges FS. Dermato-funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte. 2006.541p.

Masson IF, de Oliveira BD, Machado AP, Farcic TS, Júnior IE, Baldan CS. Manual lymphatic drainage and therapeutic ultrasound in liposuction and lipoabdominoplasty post-operative period. Indian J Plast Surg. 2014;47(1):70-76.

Serra-Añó P, Inglés M, Bou-Catalá C, Iraola-Lliso A, Espí-López GV. Effectiveness of myofascial release after breast cancer surgery in women undergoing conservative surgery and radiotherapy: a randomized controlled trial. Support Care Cancer. 2018.

Korosec B J. Manual Lymphatic Drainage Therapy. Home Health Care Manag Pract. 2004;16(6):499–511.

Dutton M. Fisioterapia ortopédica. 2ªed. Porto Alegre: Artmed,2010,1720p.

Souza MS; Meija DPM. Estudo comparativo entre as técnicas de alongamento ativo x liberação miofascial. Pós-graduação em Traumato-ortopedia.Faculdade Ávila. 2012.

Grinnell F, Ho CH, Lin YC, Skuta G. Differences in the regulation of fibroblast contraction of floating versus stressed collagen matrices. J Biol Chem. 1999;274(2):918–923.

Wittlinger H, Wittlinger D, Wittlinger A, Wittlinger M. Drenagem Linfática Manual. Método Dr. Vodder. 1ªed. Artmed, 2013,152p.

Lisboa FLF, Meyer PF, Alves DK, Wanderley SC. Um Protocolo para Avaliação Fisioterapêutica dos Níveis de Fibrose Cicatricial em Pós-Operatório de Lipoaspiração Associada ou não à Abdominoplastia. Reabilitar. 2003;5(19):11-18.

Campos ACL, Borges-Branco A, Groth AK. Cicatrização de feridas. ABCD, Arq. Bras. Cir. Dig. 2007;20(1):51-56.

Bouffard NA, Cutroneo KR, Badger GJ, White SL, Buttolph TR, Ehrlich HP et al. Tissue stretch decreases soluble TGF-β1 and type-1 procollagen in mouse subcutaneous connective tissue: Evidence from ex vivo and in vivo models. J Cell Physiol. 2007; 214(2):389–395.

Rosner AL. Evidence-based medicine: Revisiting the pyramid of priorities. J Bodyw Mov Ther. 2012;16(1):42–49.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951