LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM PRATICANTES DE CROSSFIT

Alan de Almeida Xavier, Aírton Martins da Costa Lopes

Resumo


Introdução: A modalidade esportiva Crossfit é uma atividade física nova que abrange um dos programas de treinamento de força e condicionamento físico geral que mais cresce em número de adeptos. Acredita-se que seus participantes, seja no âmbito recreativo ou competitivo, estejam expostos a riscos de lesões musculoesqueléticas associadas à prática do esporte. Objetivos: Verificar a prevalência de lesões musculoesqueléticas na modalidade Crossfit. Métodos: Foi realizado em estudo descritivo do tipo transversal. A pesquisa foi feita com praticantes adultos com faixa etária de 18 a 59 anos, de ambos os sexos, praticantes e ex-praticantes de Crossfit que realizaram a atividade por um período mínimo de três meses de treino. Todos os praticantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Foram coletados dados através de um questionário virtual estruturado e específico para o Crossfit referente à prevalência de lesões e os fatores associados. Resultados: A prevalência de lesões entre os praticantes foi 56,2%. Dentre os fatores associados às lesões está o sexo, o sobrepeso, fazer outra atividade física além do Crossfit, praticar mais de três vezes por semana com um tempo diário acima de 1 hora de treino, uso de suplementos alimentares, ingestão de bebidas alcoólicas e uso de cigarro. De acordo com o estudo as lesões musculoesqueleticas mais ocorridas foram ombro (44,2%), coluna (40,3%) e joelho (35,1%). Conclusão: A modalidade esportiva Crossfit provoca um alto índice de lesões musculoesqueléticas.

 

Palavras-chave: Atividade Física; Modalidade esportiva; Lesões musculoesqueléticas.


Texto completo:

PDF

Referências


Glassman G. Metabolic conditioning. CrossFit Journal 2003; 1-2.

Paine J, Uptgraft J, Wylie R. A Crossfit study. Special Report Comand and General Staff College 2010;32-44.

Glassman G. Understanding CrossFit. The CrossFit Journal 2007;56:1-2.

Hak PT, Hodzovic E, Hickey B. The nature and prevalence of injury during Crossfit training. Journal of Strength e Conditioning Research 2013;18-34.

Heinrich KM, Patel PM, O'neal JL, Heinrich BS. High-intensity compared to moderate intensity training for exercise initiation, enjoyment, adherence, and intentions: an intervention study. BMC Public Health 2014;14:789.

Foschini D, Prestes J, Charro MA. Relação entre exercício físico, dano muscular e dor muscular de início tardio. Artigo de Revisão. Rev.Bras.Cineantropom. Desempenho Hum 2007;9:101-06.

Paluska SA. An overview of hip injuries in running. Sports Med 2005;35:991-1014.

Smith MM, Sommer AJ, Starkoff BE, Devor ST. Crossfit based high intensity power training improves maximal aerobic fitness and body 25 composition. Journal of Strength e Conditioning Research 2013;27:3159-172.

Ferreira CA, Dias CMJ, Fernandes MR, Sabino SG, Dos Anjos MT, Felício CD. Prevalência e fatores associados a lesões em corredores amadores de rua do município de Belo Horizonte, MG. Aparelho locomotor no exercício do esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2012;18:4-16.

Clebis NK, Natali MRM. Lesões musculares provocadas por exercícios excêntricos. Artigo de revisão. Revista Brasileira Ciência e Movimento 2001; 4:47-53.

Barroso GC, Thiele ES. Lesão muscular nos atletas. Artigo de Atualização. Ver. Bras. Ortop 2011;4:354-58.

Bedair HS, Karthikeyan T, Quintero A, Li Y, Huard J. Angiotensin II receptor blockade administered after injury improves muscle regeneration and decreases fibrosis in normal skeletal muscle. Am J Sports Med 2008;8:1548-54.

Jarvinen TA, Jarvinen TL, Kaariainen M, Kalimo H, Jarvinen M. Muscle injuries: biology and treatment. Am J Sports Med 2005;5:745-64.

Brukner P, Khans K. Management of medical problems 2012;4:972-995.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL http://www.R-project.org/. 2015.

Pardini AG, Souza JMG. Clínica ortopédica: traumatologia do esporte. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2004.

Grier T, Canham-Chervak M, Mcnulty V, Jones BH. Extreme conditioning programs and injury risk in a US Army Brigade Combat Team. US Army Med Dep J 2013;4:36-47.

Calhoon G, Fry A. Injury rates and profiles in elite competitive weightlifters. Journal of Athletic Training 1999;34:232-238.

Kolt GS, Kirkby RJ. Epidemiology of injury in elite and sub-elite female gymnasts: comparison of retrospective and prospective findings. Br J Sports Med 1999;33:312-318.

Rodrigo NR, Fernando V, Herick UO, Leonardo SV, Anderson AS. Prevalência de lesões no futebol em atletas jovens: estudo comparativo entre diferentes categorias. Revista Brasileira Educação Física e Esporte 2007;21:189-94.

Anderson WA, Albrecht RR, Mckeag DB, Hough DO, Mcgrew CA. A national survey of alcohol and drug use by college athletes. The Physician and Sportsmedicine 1991;19:91-104.

Alessandra AC, José EF, Maurício LA, Júlia ESF, Luísa RM, Cynthia KM. Programa multiprofissional de controle do tabagismo: aspectos relacionados à abstinência de longo prazo. Revista da SOCERJ 2006.

Fernanda FM, Vanessa CB. Relação do uso da whey protein isolada e como coadjuvante na atividade física. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva 2009; 3:478-87.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS - MG

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951