FREQUÊNCIA DE ADENOMAS SERRILHADOS EM PACIENTES SUBMETIDOS A COLONOSCOPIA EM UMA UNIDADE AMBULATORIAL DE ALTA DEMANDA EM BELO HORIZONTE – MG

Jacqueline Araújo Lima, Maria Paula Costa Lima de Castro Miserani, José Celso Cunha Guerra Pinto Coelho

Resumo


INTRODUÇÃO: O câncer colorretal (CCR) é, no Brasil, o terceiro tipo de câncer mais frequente entre os homens e o segundo entre as mulheres; e éconsiderado a maior causa de morte por câncer no mundo. Aproximadamente 15 a 30% dos CCRs são originados da via das neoplasias serrilhadas podendo apresentar alto potencial de malignidade. Apesar da alta incidência e mortalidade associadas ao CCR, ainda há poucos estudos que avaliam a frequência, os aspectos clínicos e endoscópicos das lesões serrilhadas, na população brasileira. OBJETIVO: Avaliar a frequência de adenomas serrilhados em pacientes submetidos à colonoscopia em uma unidade ambulatorial de alta demanda. MÉTODO: Estudo retrospectivo transversal, descritivo e documental; que tem como principal fonte de dados os prontuários dos pacientes pertencentes a uma clínica privada de Gastroenterologia e de um serviço de Anatomia Patológica, de novembro de 2017 a novembro de 2018. RESULTADOS: Foram analisados 757 prontuários, totalizando 1198 pólipos. Os adenomas serrilhados corresponderam a 1,0% de todas as lesões encontradas e 4,3% das lesões serrilhadas. Destas, 3,9% foram classificadas como adenomas serrilhados sésseis (ASS) e 0,3% como adenomas sésseis tradicionais (AST). Indivíduos do sexo masculino foram mais acometidos e a idade média dos pacientes com ASS foi de 58,4 ± 9,1 anos. CONCLUSÃO: Dados epidemiológicos dos adenomas serrilhados e do perfil de pacientes acometidos são uma importante ferramenta para estabelecer medidas de saúde, educação profissional e social, como objetivo de aumentar a taxa de diagnóstico precoce do câncer colorretal.

 

Palavras-chave: Colonoscopia; Neoplasias colorretais; Pólipos.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Câncer de Intestino. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-intestino.

Kim S, Kim T. Serrated neoplasia pathway as an alternative route of colorectal cancer carcinogenesis. Intestinal Research. 2018;16(3):358.

Azevedo S. O Papel da Via Serreada na Carcinogénese Colo- Rectal. Arq Med. 2011;25(5-6):205-212.

Oliveira P, Carvalho R, Magro D, Camargo M, Martinez C, Coy C. A Retrospective Analysis of Colorectal Serrated Lesions from 2005 to 2014 in a Single Center: Importance of the Establishment of Diagnostic Patterns. Gastroenterology Research and Practice. 2018;2018:1-6.

Bicalho L, Ruiz R, Picolo M, Alves P. Epidemiologia dos adenomas serrilhados em uma casuística do Hospital Alemão Oswaldo Cruz em São Paulo. GED. 2015;3(34):101-106.

Singh R, Zorrón Cheng Tao Pu L, Koay D, Burt A. Sessile serrated adenoma/polyps: Where are we at in 2016? World Journal of Gastroenterology. 2016;22(34):7754.

Murakami T, Sakamoto N, Nagahara A. Endoscopic diagnosis of sessile serrated adenoma/polyp with and without dysplasia/carcinoma. World Journal of Gastroenterology. 2018;24(29):3250-3259.

Bettington M, Chetty R. Traditional serrated adenoma: an update. Human Pathology. 2015;46(7):933-938.

Rex D, Sullivan A, Perkins A, Vemulapalli K. Colorectal polyp prevalence and aspirational detection targets determined using high definition colonoscopy and a high-level detector in 2017. Digestive and Liver Disease. 2020;52(1):72-78.

Bordaçahar B, Barret M, Terris B, Dhooge M, Dreanic J, Prat F et al. Sessile serrated adenoma: From identification to resection. Digestive and Liver Disease. 2015;47(2):95-102.

Klein J, Okcu M, Preisegger K, Hammer H. Distribution, size and shape of colorectal adenomas as determined by a colonoscopist with a high lesion detection rate: Influence of age, sex and colonoscopy indication. United European Gastroenterology Journal. 2015;4(3):438-448.

IJspeert J, de Wit K, van der Vlugt M, Bastiaansen B, Fockens P, Dekker E. Prevalence, distribution and risk of sessile serrated adenomas/polyps at a center with a high adenoma detection rate and experienced pathologists. Endoscopy. 2016;48(08):740- 746.

Cerato M, Cerato N, Meurer L, Edelweissa M, Pütten A, Golbspan L. Variabilidade interobservador no diagnóstico histológico dos pólipos colorretais. Revista Brasileira de Coloproctologia. 2007;27(1):7-15.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística (IBGE). Projeção da população. Disponível em: https:// www. ibge.gov.br /apps /populacao/projecao/index. html?utm_source=portal&utm_medium=popclock&utm_ campaign=novo_popclock.

USA. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Moore K, Sussman D, Koru-Sengul T. Age-Specific Risk Factors for Advanced Stage Colorectal Cancer, 1981–2013. Preventing Chronic Disease. 2018;15.

Rembacken B, Hassan C, Riemann J, Chilton A, Rutter M, Dumonceau J et al. Quality in screening colonoscopy: position statement of the European Society of Gastrointestinal Endoscopy (ESGE). Endoscopy. 2012;44(10):957-968.

Gupta S, Lieberman D, Anderson J, Burke C, Dominitz J, Kaltenbach T et al. Recommendations for Follow-Up After Colonoscopy and Polypectomy. The American Journal of Gastroenterology. 2020;115(3):415-434.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951