AVALIAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS MULHERES PORTADORAS DE LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM UM AMBULATÓRIO UNIVERSITÁRIO

Bernardo Nogueira Lodi, Gabriel Milagres Neiva, Claudia Teixeira da Costa Lodi

Resumo


INTRODUÇÃO: O câncer do colo do útero é a segunda causa de morte por câncer em mulheres no mundo e no Brasil. Desenvolve-se a partir de lesões precursoras, as neoplasias intraepiteliais cervicais (NIC), com grande potencial de prevenção e cura quando diagnosticadas em suas fases iniciais. OBJETIVO: Analisar o perfil epidemiológico das mulheres portadoras de lesões precursoras, determinar a prevalência das alterações citológicas e correlacionar esses achados com a histopatologia e avaliar os fatores de risco para NIC. MÉTODO: Estudo transversal de análise de prontuários médicos de mulheres atendidas em um ambulatório universitário, no período de janeiro de 2018 a janeiro de 2019. RESULTADOS: Foram analisados 241 prontuários de mulheres com média de idade de 37,5 anos. Em 232 casos (96%), foi realizado o exame citopatológico sendo que 111 (48%) apresentaram alterações, sendo 45% lesão de alto grau. Duzentas e três (84%) mulheres foram submetidas a colposcopia com 34% dos exames alterados. Oitenta e oito mulheres (36,5%) foram submetidas a biópsia e apenas 3 não apresentaram lesão. CONCLUSÃO: A maioria das mulheres eram multíparas, fumantes e usavam contraceptivos hormonais. Todas eram sexualmente ativas. Encontrou-se forte associação entre os achados citológicos com o resultado da biópsia, aumentando seu grau de confiabilidade. Noventa por cento das mulheres com necessidade de intervenção foram encaminhadas para o tratamento adequado na atenção secundária.

 

Palavras-chave: Neoplasias do Colo do Útero; Neoplasia Intraepitelial Cervical; Lesões Intraepiteliais Escamosas Cervicais; Epidemiologia; Assistência Ambulatorial.


Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Comprehensive cervical cancer control: a guide to essential practice – 2nd ed. 2016, 415p.

Instituto Nacional De Câncer (Brasil). Estimativa 2020. Incidência do Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2020, 120p.

Sousa A, Costa G, Reis J, Goiano P, Calaça M. Caracterização das alterações citopatológicas e fatores de riscos associados ao desenvolvimento do câncer de colo útero. Revista Uningá Review. 2018; 30(1):67-71.

Doorbar J, Quint W, Banks L, Bravo I, Stoler M, Broker T, et al. The biology and life-cycle of human papillomaviruses. Vaccine. 2012;30(5):55-70.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016, 114p.

World Health Organization. Screening for cervical cancer. Disponível em: http://www.who.int/cancer/detection/cervical_ cancer_screening/en/. Acesso em: 17 jul. 2014.

Saslow D, Solomon D, Lawson HW, et al. American Cancer Society, American Society for Colposcopy and Cervical Pathology, and American Society for Clinical Pathology screening guidelines for the prevention and early detection of cervical cancer. CA Cancer J Clin. 2012;62:147-172.

Lima C, Amaral J, de Oliveira P, Santos W, Rodrigues A, Aguiar M. Cervical cancer: university students knoweledge. Journal of Nursing UFPE on line. 2016; 0(8): 2993-3003.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Parâmetros Técnicos para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero - Rio de Janeiro: INCA, 2019, 32p.

World Health Organization. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. 2.ed. Geneva: WHO, 2002, 180p.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Estimativa de incidência e mortalidade por câncer no Brasil. - Brasília: INCA, 2012, 120p.

Camargos A, Melo V, Reis F, Murta E, Filho A, et al. Ginecologia Ambulatorial Baseada em Evidências Científicas. 3ª ed. Belo Horizonte: Coopmed, 2016, 363p.

Dugno M, Soldatelli J, Daltoé T, Rosado J, Spada P, Formolo F. Perfil do câncer de mama e relação entre fatores de risco e estadiamento clínico em hospital do Sul do Brasil. Rev. Bras. Oncologia Clínica. 2014; 10(36): 60-66.

Ferrera A, Velema J, Figueroa M, Bulnes R, Toro L, Claros J, et al. Co-factors related to the causal relationship between human papillomavirus and invasive cervical cancer in Honduras. Int J Epidemiol. 2000;29(5):817-825.

Hildesheim A, Herrero R, Castle P, Wacholder S, Bratti M, Sherman M, et al. HPV cofactors related to the development of cervical cancer: results from a population-based study in Costa Rica. Br J Cancer. 2001;84(9):1219-1226.

Ferreira, H, Lala, E, Mansour, F. Frequência de Papilomavirus Humano (HPV) em gestantes. Biológicas & Saúde, v. 7, n. 25, 2017.

Silva, R, Cruz, T, Conte, D, Scatola F, Godoy, A, Bazzo, K. Contraceptivos orais e hábito tabagista são fatores risco para lesões percursoras do cancer do colo uterino. Congresso de Pesquisa e Extensão da Faculdade da Serra Gaúcha, Caxias do Sul (RS). 2015. p. 1274-1288.

Teles, G, Muniz, M, Ferrari, R. Tabagismo Associado Às Lesões Precursoras Para O Câncer de Colo Uterino. Revista de Enfermagem UFPE, v. 7, n. 9, 2013.

Moreno V, Bosh F, Muñoz N, Meijer C, Shah K, Walboomers J, et al. Effect of oral contraceptives on risk of cervical cancer in women with human papillomavirus infection: the IARC multicentric case-control study. The Lancet. 2002;359(9312):1085-1092.

Neto, J. B. L. Colpocitologia Oncótica – Uma Visão Prática do Método. In: SILVA, C. H. M. et al. Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia. Rio de Janeiro: MedBook, 2018. p. 29- 39.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951