INCREMENTO NO NÚMERO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE E A SUA RELAÇÃO COM A COVID-19

Fernanda Dominique de Souza Gonçalves, Carolina Gonçalves Barcelos, Flávia da Costa Silva, Ricardo Moreira Araújo, Gabriella Reis Granata Pereira

Resumo


Introdução: A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é uma doença infecciosa, causada predominantemente pelos vírus da Influenza (H1N1) e pelo novo coronavírus. Com a circulação em níveis pandêmicos do novo vírus, espera-se um acréscimo na curva de casos de SRAG. Objetivo: O presente trabalho pretende comparar as curvas de incidência de SRAG antes e após a pandemia do vírus responsável pela SARS-CoV-2 no Brasil. Método: Revisão sistemática com artigos das bases de dados PubMed, BVS, Scielo, entre 2003 e 2020 e coleta de informação por meio dos bancos de dados TABNET/DATASUS, Fundação Oswaldo Cruz e de registros de óbito no Portal de Transparência, analisando o acréscimo do número de casos de SRAG nos últimos 6 anos. Resultados: Em 2020, coincidindo com a introdução do novo coronavírus, a taxa de incidência de SRAG registrou um grande aumento comparado aos últimos anos, levando a um crescimento progressivo nas taxas de internação por SRAG registradas. Discussão: A falta de conhecimento acerca da Covid-19 e do prognóstico da doença, associada à falta de medicamentos específicos e à pouca disponibilidade de testes diagnósticos, leva ao indício de que existe a relação entre a subnotificação de casos de Covid-19 e o aumento da incidência de SRAG. Conclusão: Acredita-se que o acréscimo observado nas curvas de números de casos por SRAG deva-se à introdução do novo vírus na comunidade, podendo auxiliar na avaliação do impacto da Covid-19 nessa fase ainda precoce ou de pouco conhecimento sobre o vírus.

 

Palavras-chave: Covid-19; Coronavírus, SARS.


Texto completo:

PDF

Referências


Mazon LM, Komuchena KS, Roik AK, Wieczorkievicz AM, Ditterich RG. Perfil epidemiológico de pacientes com síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave. Saúde em Revista 2016; 16(43): 37-44.

Dutra AS, Públio SC, de Ávila RE, da Silva DI, de Carvalho FB, Bonnan PRF. Ventilação mecânica não invasiva em pacientes com síndrome respiratória aguda grave, suspeitos de infecção por influenza A-H1N1: relato de casos. Rev med Minas Gerais, 2010; 105-109.

Nicholls J, Dong XP, Jiang G, Peiris M. SARS: clinical virology and pathogenesis. Respirology, 2003; (8): S6-S8.

Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Técnico de Influenza. 1ª ed.; 2012.

Lana RM, Coelho FC, Gomes MFDC, Cruz OG, Bastos LS, Villela DAM, et al. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cadernos de Saúde Pública, 2020. (36):e00019620.

Bonita R, Beaglehole R, Kjellstrom T. Epidemiologia Básica. 2ª ed. São Paulo: Livraria Santos Editora. 2010, 230p.

Boletim do Núcleo Hospitalar de Vigilância Epidemiológica. Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT). Estado de Goiás (Brasil) – Secretaria de Estado da Saúde. Boletim epidemiológico síndrome respiratória aguda grave (2015- 2016), novembro de 2016

InfoGripe. Monitoramento de casos reportados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) hospitalizados, 2020. Fio Cruz.

DataSUS. Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI); 2020.

Secretaria de Estado da Saúde. Governo de Santa Catarina. Informe epidemiológico n°11/2017 – vigilância da influenza. 19 jun 2017

Portal da Transparência. Painel registral COVID-19. Registo Civil. 25 jun 2020

Lana RM, Coelho FC, Gomes MFDC, Cruz OG, Bastos LS, Villela DAM, Codeço CT. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cadernos de Saúde Pública, 2020; 36: e00019620.

Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico para o Novo Coronavírus (2019-nCoV) Telefônico: Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 32p.

Portal da Saúde do Sistema Único de Saúde. TABNET DataSUS; 2020.

Silva AAMD. Sobre a possibilidade de interrupção da epidemia pelo coronavírus (COVID-19) com base nas melhores evidências científicas disponíveis. Revista brasileira de epidemiologia, 2020.

Casaca MCG, Casaca JEG, Cordes MEG, Cordes MFG, Cordes MGG, Bellini MZ. Comparação de dados de infecções e mortes pelo novo Coronavírus de diferentes países do mundo com os dados brasileiros desde o primeiro infectado até o final da primeira quinzena de Abril de 2020. Brazilian Journal of Health Review, 2020; 3(2): 3434-3454.

Brehmer LCDF, Trindade LDL, Ramos FRDS, Pires DEPD, Santos SMAD, Meirelles BHS. Revisão integrativa da literatura sobre a Influenza AH1N1. Texto & Contexto-Enfermagem, 2011; p. 272-277.

Camus A. Influenza A (H1N1): histórico, estado atual no Brasil e no mundo, perspectivas. Rev Med Minas Gerais, 2019; 19(2), 132-139.

Bastos LS, Niquini RP, Lana RM, Villela DAM, Cruz OG, Coelho FC, et al. COVID-19 e hospitalizações por SRAG no Brasil: uma comparação até a 12ª semana epidemiológica de 2020. Cadernos de Saúde Pública, 2020; 36(4): e00070120.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951