PREVALÊNCIA DE CONTAMINAÇÃO DE ESTETOSCÓPIOS EM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS MÉDICAS

Laura Volponi Gomes, Bianca Santuzzi Fernandes, Sandra Regina Santos

Resumo


Introdução: Os estetoscópios são instrumentos amplamente utilizados na medicina, tornando-se potentes fontes para a disseminação bacteriana. O Ministério da Saúde defende a sua desinfecção com desinfetante de nível intermediário, com frequência proporcional ao uso do instrumento. Objetivo: Avaliar a prevalência da contaminação bacteriana de estetoscópios no centro de terapia intensiva do Hospital Universitário Ciências Médicas. Método: Estudo transversal em que foram coletadas amostras de estetoscópios com swab, as quais foram posteriormente semeadas em placas de cultura. Ademais, os voluntários responderam um questionário sobre os hábitos de higienização do instrumento. Resultados: 97 amostras foram coletadas nas unidades de terapia intensiva do Hospital Universitário Ciências Médicas. Dessas, 62,9% apresentaram crescimento bacteriano em Ágar sangue, apesar de 84,5% dos voluntários relatarem higienizar o estetoscópio pelo menos uma vez por semana. Conclusão: Apesar de o estetoscópio ser um instrumento bastante utilizado na prática clínica, muitos profissionais negligenciam o seu potencial como disseminador de microrganismos ou não adotam uma desinfecção adequada em sua rotina.

Palavras-chave: Estetoscópio; Infecção hospitalar; Unidade de terapia intensiva.


Texto completo:

PDF

Referências


Ferraz AP, Soares BS, Terra DAA, Lopes JA. A história do estetoscópio e da ausculta cardíaca. Revista Médica de Minas Gerais 2011;21(4):479-486.

Treakle AM, Thom KA, Furuno JP, Strauss SM, Harris AD, Perencevich EN. Bacterial contamination of health care workers’ white coats. Am J Infect Control 2009;37(2):101-5. DOI: 10.1016/j/ajic.2008.03.009.

Panthora BR, Saxena AK, Al-Mulhim AS. Contaminated physician’s stethoscope: a potential source of transmission of infection in the hospital. Need of frequent disinfection after use. Saudi Med J 2005;26(2):348-349.

Santos JAD. Estetoscópio: instrumento de diagnóstico e de propagação microbiana?. Rev Saúde e Pesquisa 2015;8(3):577-584. DOI: https://doi.org/10.17765/2176- 9206.2015v8n3p577-584.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies. Brasília (DF), 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n° 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Boletim de Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Rio de Janeiro, 2017.

Maluf MEZ, Maldonado AF, Bercial ME, Pedroso SA. Stethoscope: a friend or an enemy? Sao Paulo Med J 2002;120(1):13-15. DOI: 10.1590/s1516-31802002000100004

Dutra LGB, Neto HBN, Nedel FB, Lobo EA. Prevalência de contaminação bacteriana em estetoscópios. Rev Inst Adolfo Lutz 2013;72(2):155-160. DOI: 10.18241/0073- 98552013721557.

Leão LSNO, Passos XS, Reis C, Valadão LMA, Silva MRR, Pimenta FC. Fenotipagem de bactérias isoladas em hemoculturas de pacientes críticos. Rev. Soc. Bras. Med. Trop 2007;40(5):537-540. DOI: https://doi.org/10.1590/S0037- 86822007000500009.

McNamara JF, Righi E, Wright H, Hartel GF, Harris PNA, Paterson DL. Long-term morbidity and mortality following bloodstream infection: A systematic literature review. Journal of Infection 2018;77(1):1–8. DOI: 10.1016/j.jinf.2018.03.005.

Diekema DJ, Beekmann SE, Chapin KC, Morel KA, Munson E, Doern GV. Epidemiology and outcome of nosocomial and community-onset bloodstream infection. Journal of Clinical Microbiology 2003;41(8):3655-3660. DOI: 10.1128/ JCM.41.8.3655-3660.2003.

Pfaller MA, Carvalhaes CG, Smith CJ, Diekema DJ, Castanheira M. Bacterial and fungal pathogens isolated from patients with bloodstream infection: frequency of occurrence and antimicrobial susceptibility patterns from the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program (2012-2017). Diagn Microbiol Infect Dis 2020;97(2):115016. DOI: 10.1016/j. diagmicrobio.2020.115016.

Saloojee H, Steenhoff A. The health professional’s role in preventing nosocomial infections. Postgrad Med J. 2001;(77):16-9. DOI: 10.1136/pmj.77.903.16

Xavier MS, Ueno M. Contaminação bacteriana de estetoscópios das unidades de pediatria em um hospital universitário. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(2):217-8. DOI: https://doi. org/10.1590/S0037-86822009000200026.

Thapa S, Sapkota LB. Bacteriological assessment of stethoscopes used by healthcare workers in a tertiary care centre of Nepal. BMC Res Notes. 2017;10(1):353. DOI: https://doi.org/10.1186/s13104-017-2677-7.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951