REDE SOCIAL DE APOIO E SINTOMAS DEPRESSIVOS ENTRE IDOSOS BRASILEIROS: DADOS DO ELSI-BRASIL

Marina Loureiro Gomes Marçoni, Camila Menezes Sabino De Castro

Resumo


Introdução: O aumento da proporção de idosos na população brasileira apresenta-se como fator de grande impacto social, visto que nesta faixa etária há acometimento da saúde física, mental, além da redução das redes sociais de apoio. Diante disso, muitos idosos desenvolvem transtornos depressivos, os quais parecem estar associados aos aspectos psicossociais de sua rotina. Objetivo: Examinar a associação entre variáveis sociodemográficas e o diagnóstico médico de depressão entre participantes idosos do Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil). Método: Estudo transversal, realizado a partir de dados de 4.211 indivíduos a partir da linha de base do ELSI-Brasil, conduzida entre 2015 e 2016. As análises estatísticas foram baseadas em odds ratio (OR) e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) estimados por meio da regressão logística. Resultados: Os achados do presente estudo mostraram significância estatística na associação entre diagnóstico de depressão e as variáveis idade entre 70 e 79 anos (OR = 0,68; IC 95% = 0,55-0,83) e de 80 anos e mais (OR = 0,65; IC 95% = 0,46-0,94), sexo masculino (OR = 0,49; IC 95% = 0,40-0,61), raça/cor branca (OR = 1,37; IC 95% = 1,10-1,71), frequência em que se sente sozinho: algumas vezes (OR = 1,87; IC 95% = 1,46-2,39) e sempre (OR = 2,94; IC 95% = 2,33-3,72), presença de duas ou mais doenças crônicas (OR = 2,22; IC 95% = 1,77-2,77), autopercepção do sono (OR = 0,69; IC 95% = 0,53-0,90) e da saúde (OR = 0,67; IC 95% = 0,53-0,84) como bons e luto (OR = 1,25; IC 95% = 1,03-1,51). Conclusão: Há associação entre o apoio social e a depressão, seja esta positiva ou negativa, a depender da variável avaliada. Os achados auxiliam no melhor entendimento de fatores relacionados ao diagnóstico de depressão em idosos, de modo a elucidar informações essenciais para a garantia de melhores condições de vida e de saúde à essa população.

 

Palavras-chave: Envelhecimento; Apoio Social; Depressão.


Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira AS. Transição demográfica, transição epidemiológica e envelhecimento populacional no Brasil. Rev. Hygeia. 2019;15(31):69-79.

Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. Desafios das políticas públicas no cenário de transição demográfica e mudanças sociais no Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação 2017;21(61):309-320.

Barbosa KTF, Costa KNFM, Pontes MLF, Batista PSS, Oliveira FMRL, Fernandes MGM. Envelhecimento e vulnerabilidade individual: um panorama dos idosos vinculados à estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2017;26(2):1-10.

Silva AR, Sgnaolin V, Nogueira EL, Loureiro F, Engroff P, Gomes I. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores sociodemográficos associados a sintomas de depressão em idosos. J bras psiquiatr. 2017;66(1):45-51.

Avasthi A, Grover S. Clinical practice guidelines for management of depression in elderly. Indian J Psychiatry. 2018;60(3):341-362.

Smolen JR, Araujo EM. Raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva 2017;22(12):4021-4030.

Freitas RPA, Andrade SC, Spyrides MHC, Micussi MTABC, Sousa MBC. Impacto do apoio social sobre os sintomas de mulheres brasileiras com fibromialgia. Rev Bras Reumatol. 2017;57(3):197-203.

Domènech-Abella J, Mundó J, Haro JM, Rubio-Valera M. Anxiety, depression, loneliness and social network in the elderly: longitudinal associations from the Irish Longitudinal Study on Ageing (TILDA). J Affect Disord. 2018; 246:82-88.

Maia CML, Castro FV, Fonseca AMG, Fernández MIR. Redes de apoio social e de suporte social e envelhecimento ativo. International Journal of Developmental and Educational Psychology INFAD. Revista de Psicologia 2016;1(1):293-303.

Guedes MBOG, Lima KC, Caldas CP, Veras RP. Apoio social e o cuidado integral. Physis Revista de Saúde Coletiva 2017;27(4):1185-1204.

França MS, Lopes MVO, Frazão CMFQ, Guedes TG, Linhares FMP, Pontes CM. Características da rede social de apoio ineficaz: revisão integrativa. Rev. Gaúcha Enferm. 2018;39(e20170303):1-14.

Jindawong B, Kuhirunyaratn P, Thepwongsa I, Prasomrak P. Perceived social support level and related factor among community dwelling urban elderly. IJPHRD. 2020;11(3):1888- 1893.

Rosa TEC, Benício MHA. As redes sociais e de apoio: o conviver e a sua influência sobre a saúde. BIS, Bol. Inst.Saúde 2009;47:80-83.

Rosa TEC, Benício MHDA, Alves MCGP, Lebrão ML. Aspectos estruturais e funcionais do apoio social de idosos do município de São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica 2007;23(12):2982-2992.

Due P, Holstein B, Lund R, Modvig J, Avlund K. Social relations: network, support and relational strain. Soc Sci Med.1999;48:661-73.

Anjos KF, Boery RNSO, Pereira R, Pedreira LC, Vilela ABA, Santos VC, et al. Associação entre apoio social e qualidade de vida de cuidadores familiares de idosos dependentes. Ciênc Saúde Coletiva 2015;20(5):1321-1330.

Granovetter M. The strength of the weak ties. Am J Sociol 1973. 78:1360-80.

Barcelos-Ferreira R, Izbicki R, Steffens DC, Bottino CMC. Depressive morbidity and gender in community-dwelling Brazilian elderly: Systematic review and meta-analysis. International Psychogeriatrics 2010;22(5):712-726.

Tsaras K, Tsiantoula M, Papathanasiou IV, Papagiannis D, Chatzi M, Fradelos EC.Predictors of depression and insomnia in community-dwelling elderly people: a cross-sectional evidence of their bidirectional relationship. Cureus. 2021;13(3):e13965.

Wilkinson P, Ruane C, Tempest K. Depression in older adults. BMJ. 2018;363:k4922.

Gonçalves AMC, Teixeira MTB, Gama JRA, Lopes CS, Silva GA, Gamarra CJ, et al. Prevalência de depressão e fatores associados em mulheres atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. J Bras Psiquiatr. 2018;67(2):101-109.

Oliveira MM, Daher DV, Silva JLL, Andrade SSCA. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciênc. saúde coletiva 2015;20(1):273-278.

Brasil. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política do SUS. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. 3. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2017. 44 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Temático Saúde da População Negra / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Articulação Interfederativa. - Brasília: Ministério da Saúde, 2016;7(10):82 p.

Nobrega IRAP, Leal MCC, Marques APO, Vieira JCM. Fatores associados à depressão em idosos institucionalizados: revisão integrativa. Saúde debate 2015;39(105):536-550.

Bretanha AF, Facchini LA, Nunes BP, Munhoz TN, Tomasi E, Thumé E. Sintomas depressivos em idosos residentes em áreas de abrangência das Unidades Básicas de Saúde da zona urbana de Bagé, RS. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):1-12.

Silva MR, Ferretti F, Pinto SS, Tombini Filho OF. Sintomas depressivos em idosos e sua relação com dor crônica, doenças crônicas, qualidade do sono e nível de atividade física. BrJP 2018;1(4):293-298.

Lee SL, Pearce E, Ajnakina O, Johnson S, Lewis G, Mann F, et al. The association between loneliness and depressive symptoms among adults aged 50 years and older: a 12- year population-based cohort study. The Lancet Psychiatry. 2020;8(1):48-57.

Grover S, Avasthi A, Sahoo S, Lakdawala B, Dan A, Nebhinani N, et al. Relationship of loneliness and social connectedness with depression in elderly: a multicentric study under the aegis of Indian Association for Geriatric Mental Health. J Geriatr Ment Health. 2018;5(2): 99-106.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951