ESTABILIDADE DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE E FATORES ASSOCIADOS

Nídgia Luísa Diniz Moreira, Ana Clara Lima Simonini, Ana Luiza Portela Pereira, Debora Emily Soares Felipe, Renata Saldanha Silva

Resumo


Introdução: Transtorno de Personalidade Borderline (TPB) caracteriza-se por elevada instabilidade emocional e impulsividade, sentimentos crônicos de vazio, além de alterações da autoimagem e reações extremas ao abandono real ou percebido. Além disso, os sintomas são estáveis ao longo da vida. O critério de estabilidade ainda é pouco estudado no Brasil, o que motivou o presente estudo. Objetivo: analisar a estabilidade dos sintomas principais do TPB em uma amostra não clínica da região metropolitana de Belo Horizonte. Método: Foram selecionados 60 voluntários que apresentavam diferentes níveis de sintomas condizentes com TPB, dentre os quais 18 aceitaram participar da segunda etapa, em que foram submetidos a um roteiro de entrevista individual semiestruturada, composta por informações sociodemográficas e pela Entrevista para Diagnóstico de Transtorno da Personalidade Borderline – Revisada (DIB-R). Resultados: Os resultados apontaram que 4 dos 18 participantes preencheram critérios para Transtorno de Personalidade Borderline, sendo que todos eles possuíam algum tipo de vivência traumática durante a infância. Dentre aqueles que apresentaram muitos sintomas em 2015, somente um permaneceu estável, enquanto os demais apresentaram diminuição dos níveis de sintomas. Dos participantes que apresentaram sintomatologia mediana em 2015, um obteve aumento e outro obteve diminuição sintomática. Dentro do grupo que não apresentava sintomatologia relevante em 2015, 7 deles permaneceram estáveis e 6 apresentaram aumento de sintomas. Conclusão: O estudo apresentou evidências preliminares de estabilidade de sintomas do TPB, indicando, principalmente, o poder preditivo de histórico de abusos na infância na manutenção dos sintomas. As razões para os resultados atípicos são tratadas na discussão.

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. ISBN 978-85-8271-089-0.

Linehan M. Terapia Cognitivo-Comportamental para Transtorno da Personalidade Borderline. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Abreu PR, Abreu JHSS. Terapia comportamental dialética: um protocolo comportamental ou cognitivo?. Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn. 2016;18(1):45-58.

Cobb-Clark DA, Schurer S. The stability of big-five personality traits. Eco. Letters. 2012 Abr;115(1): 11-5.

Conceição IK, Bello JR, Kristensen CH, Dornelles VG. Sintomas de TEPT e trauma na infância em pacientes com transtorno da personalidade bordeline. Psicol. Rev. 2015 Abr; 21(1): 87-107.

Nunes FL, Rezende HA, Silva RS, Alves MM. Eventos traumáticos na infância, impulsividade e transtorno da personalidade borderline. Rev. bras.ter. cogn. 2015 Dez;11(2):68-76.

Saldanha-Silva R, Nunes FL, Rezende HA, Alvez MM. Maladaptive beliefs as mediators of the relationship between personality traits and Borderline Personality Disorder symptoms. Estud. psicol. 2019; 36(1).

Rantanen J, Metsäpelto RL, Feldt T, Pulkkinen L, Kokko K. Long-term stability in the Big Five personality traits in adulthood. Scand J Psychol. 2007 Dez;48(6):511-8.

Saldanha-Silva R, Schlottfeldt CG, Rozenberg MP, Santos MT, Lelé ÁJ. Replicabilidade do Modelo dos Cinco Grandes Fatores em medidas da personalidade. Mosaico. Estud. Psicol. 2007; 1(1): 37-49.

Nunes FL, Rezende HA. Evidências de validade e confiabilidade do questionário de crenças dos transtornos de personalidade para o transtorno de personalidade borderline. Belo Horizonte. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Psicologia) - Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

Costa PT, McCrae RR. Longitudinal stability of adult personality. Handbook of personality psychology. 1997. 269-290.

Hopwood CJ, Bleidorn W. Stability and change in personality and personality disorders. Curr. Opin. Psychol. 2018 jun; 21(1):6-10.

Malloy-Diniz LF, Mattos P, Leite WB, Abreu N, Coutinho G, Paula JJD et al. Tradução e adaptação cultural da Barratt Impulsiveness Scale (BIS-11) para aplicação em adultos brasileiros. J. bras. Psiquiatr. 2010; 59(2): 99-105.

Duarte ALC, Nunes MLT, Kristensen CH. Esquemas desadaptativos: revisão sistemática qualitativa. Rev. bras.ter. cogn. 2008 Jun; 4(1): 0-0.

Figueiredo L, Dell’aglio JC, Silva TL, de Mattos Souza LD, de Lima Argimon II. Trauma infantil e sua associação com transtornos do humor na vida adulta: uma revisão sistemática. Psicol. rev. 2013; 19(3): 480-496.

Desidério RC, Miyazaki MCOS. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH): orientações para a família. Psicol. Esc. Educ. 2007 jan/jun; 11(1):165-176.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 REVISTA INTERDISCIPLINAR CIÊNCIAS MÉDICAS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

INDEXAÇÕES 

     

 

 

 

ISSN 2526-3951