ANÁLISE DA ANTISSEPSIA E DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM TONÔMETROS DE APLANAÇÃO DE GOLDMANN

Autores

  • Mariana Barros da Costa
  • Leticia Ceccotti Ribeiro
  • Leandro Duarte de Carvalho
  • Lucélia Coimbra da Silva
  • Geórgia de Lima Vieira Carneiro
  • Fábio Nishimura Kanadani

Palavras-chave:

Tonometria ocular; Microbiota; Glaucoma; Oftalmologia

Resumo

Introdução: Os prismas dos tonômetros de aplanação de Goldmann (TAG) entram em contato diretamente com a córnea durante a aferição da pressão intraocular e têm sido frequentemente identificados na literatura como importante veículo de infecção. Objetivo: Analisar a prevalência dos agentes de contaminação microbiológica em prismas de aplanação dos tonômetros utilizados nos consultórios de um serviço público e a eficácia da antissepsia dos instrumentos por diferentes métodos. Método: Estudo descritivo transversal em que foram realizadas 99 coletas microbiológicas em prismas de tonômetros, por meio de "swabs" estéreis, dos consultórios de um serviço público de Belo Horizonte. O material foi semeado nos meios de cultura Ágar Sangue e Ágar Sabouraud, em dois momentos distintos, antes e após a antissepsia com álcool isopropílico 70%, Clorexidina e limpeza a seco com papel toalha. Resultados: Antes da antissepsia, houve contaminação bacteriana em 20 amostras e após o procedimento, cinco amostras apresentaram contaminação. Foi encontrado crescimento de cocos Gram positivos catalase positivos em 17 amostras, bacilos Gram positivos em uma amostra e 2 crescimentos indeterminados. Conclusão: Os dados revelam risco de patogenicidade e infecção cruzada em primas de TAG com desinfecção inadequada. De forma geral os métodos utilizados neste estudo se mostraram eficazes, não havendo diferença estatisticamente relevante entre eles.

Downloads

Publicado

28-09-2023