AUTOEFICÁCIA DA AMAMENTAÇÃO ENTRE MÃES JOVENS NO SERVIÇO PÚBLICO AMBULATÓRIO SOFIA FELDMAN E AMBULATÓRIO CIÊNCIAS MÉDICAS EM BELO HORIZONTE

Authors

DOI:

https://doi.org/10.61910/ricm.v8i1.388

Keywords:

Aleitamento materno, Nível socioeconômico, Promoção da saúde

Abstract

Introdução: Amamentação é fundamental tanto para a criança quanto para a nutriz, sendo os fatores relacionados ao desmame precoce como a autoeficácia e a segurança, podendo ser extrínsecos e intrínsecos à mãe. Entende-se por autoeficácia da amamentação a autoconvicção da nutriz sobre a capacidade da oferta do aleitamento. Objetivo: Avaliar a correlação entre a autoeficácia da amamentação e fatores socioeconômicos entre mães jovens. Método: Estudo transversal realizado com amostra de 65 usuárias de dois serviços públicos de saúde, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Participaram mulheres que tiveram uma gestação até os 20 anos de idade. A coleta de dados foi realizada entre os meses de novembro de 2021 e abril de 2022, através de entrevistas presenciais. Foi realizada análise descritiva das variáveis numéricas e categóricas, e aplicado o teste de correlação de Spearman. Para todas as análises foi utilizado o programa estatístico R. Resultados: Identificou-se correlação entre amamentação materna exclusiva (AME) e uso de suplemento lácteo com a baixa/médica autoeficácia, associada aos relatos: “Não produzia tanto leite (N57, 15 anos)”, “Meu leite não sustentava (N36, 16 anos)”. A média de idade em que as mulheres engravidaram foi 17,3 anos, a maioria se autodeclarou não brancas, apenas cursaram o ensino fundamental e não trabalhavam enquanto amamentavam. Conclusão: Novos estudos devem ser realizados, para encontrar outros fatores relacionados a autoeficácia, afim de aumentar adesão à AME. Evidencia-se a necessidade de políticas públicas voltadas para mães jovens, com intuito de incentivar o estudo e garantir a empregabilidade, melhorando as condições de vulnerabilidade socioeconômica.

Published

2024-04-12